Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Saiba mais | Compreendi
 
 
Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > Alexandre Herculano
Alexandre Herculano (1810-1877)
Foto de Alexandre Herculano

Alexandre Herculano (1810-1877) foi um escritor e historiador português célebre por diversas obras como Eurico, o Presbítero.

Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu em Lisboa, em 1810. De família modesta, não pode fazer curso universitário. Depois dos estudos secundários no Colégio dos Oratorianos, assiste ao curso de Inglês e Alemão na Aula do Comércio e, em 1830, segue o curso de Diplomática na Torre do Tombo. Conhece então a Marquesa de Alorna. Em 1831, a situação política reinante obriga-o a exilar-se na França (Rennes), onde gasta o mais do tempo a estudar. No ano seguinte, está nos Açores incorporado ao exército liberal, com o qual desembarca em Mindelo. Em 1833, trabalha na Biblioteca Municipal do Porto, como segundo-bibliotecário. Em 1836, demite-se e inicia sua carreira de prestígio intelectual com a publicação d’ A Voz do Profeta. No ano seguinte, entra a dirigir o Panorama, até 1844. Ao mesmo tempo que passa a Director da Biblioteca da Ajuda, naquela revista inicia a publicação de suas obras de ficção: as Lendas e Narrativas, O Bobo, o Monge de Cister. É a fase mais intensa de sua actividade literária, e política, na defesa das ideias liberais. Interpretando com desassombro e espírito crítico alguns fatos da história de Portugal, como a batalha de Ourique, cujo aspecto lendário destrói com sólida argumentação, acaba provo-cando enérgica reacção do clero, logo por ele revidada num opúsculo que veio a dar nome à polémica Eu e o Clero (1850). A década de 50 é-lhe desfavorável: além das apoquentações com o clero ultramontano, colhe uma série de desgostos na arena política, até que, em 1859, adquire uma quinta em Val-de-Lobos e lá se refugia, embora atento ao que acontece em Lisboa. Em 1866, casa-se com uma senhora que amara na juventude, e afasta-se ainda mais da vida pública. Por ocasião das Conferências do Casino Lisbonense (1871), pronuncia-se a respeito do seu fechamento, mas já como último lampejo de participação pública: em 1877, falece em sua quinta, aureolado de glória e respeito nacionais.
anúncio
Obra de Alexandre Herculano
Capa do livro A Harpa do Crente
Ano: 1838
Coletânea de poesias de Alexandre Herculano, revelando, entre outras, as influências de Klopstock, Chateaubriand, Lamartine e Schiller, onde a temátic...

Capa do livro Eurico, o Presbítero
Ano: 1844
História de amor entre Eurico e Hermengarda, passada na Espanha visigótica do século VIII. Época que dita o fim do reino visigodo diante da conquista ...

Capa do livro A Dama Pé-de-Cabra
Ano: 1851
Pertence ao segundo tomo de «Lendas e Narrativas»: Retirada do Nobiliário do Conde D. Pedro, esta lenda transporta o leitor para o universo do sécul...

Capa do livro O Bobo
Ano: 1878
Alexandre Herculano alia a capacidade de "invenção", ou ficcional, com o conhecimento da época a reconstituir, revelando um extremo cuidado com cenári...


Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site