Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 1: Ligeia

Página 1
Ligeia

E ali existe a vontade, que não morre. Quem conhece os mistérios da vontade, ou o seu vigor? Porque Deus não é mais que uma suprema vontade que penetra todas as coisas por natureza da sua intencionalidade. O homem não se entrega aos anjos, nem totalmente à morte, a não ser pela fraqueza da sua débil vontade.
JOSEPH GLANVILL
Não consigo, por minha fé, recordar como, quando ou sequer onde precisamente conheci Lady Ligeia. Longos anos decorreram desde então, e o muito que sofri debilitou-me a memória. Ou talvez não consiga neste momento trazer esses dados à mente porque, na verdade, o carácter da minha amada, a sua rara cultura, a sua beleza fisionómica, plácida mas singular, e a penetrante e cativadora eloquência da sua fala grave e musical abriram caminho até ao meu coração a passos tão firmes e furtivamente progressivos que me passaram despercebidos e se não deram a conhecer. Creio, contudo, que a encontrei pela primeira vez, e mais tarde com grande frequência, em qualquer grande e velha cidade em ruínas, à beira do Reno. Da sua família, estou certo de que a ouvi falar; não restam dúvidas de que remontava a uma época muito recuada. Ligeia! Ligeia! Imerso em estudos cuja natureza mais do que qualquer outra coisa tende a amortecer as impressões do mundo exterior, basta-me esta doce palavra - Ligeia para tornar a ver com os olhos do espírito a imagem dessa que já não vive. E agora, ao escrever, vem-me subitamente à lembrança que nunca soube o nome paterno daquela que foi minha amiga e prometida, e que se tornou a companheira dos meus estudos e finalmente a esposa do meu coração. Tratar-se-ia de uma imposição jocosa por parte da minha Ligeia? Ou seria uma maneira de pôr à prova a firmeza da minha afeição, o facto de eu não proceder a investigações acerca deste ponto? Ou seria ainda um capricho meu, uma oferenda estranhamente romântica no altar da mais apaixonada devoção? Só indistintamente recordo o facto em si: que admira ter eu esquecido completamente as circunstâncias que o originaram ou acompanharam? E, de facto, se acaso o espírito a que se chama Romance, se acaso o lânguido e tenebrosamente alado Ashtopher do idólatra Egipto, presidissem, como se diz, aos casamentos mal-agourados, então por certo presidiram ao meu.

<< Sinopse

pág. 1 (Capítulo 1)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ligeia
Páginas: 20
Página atual: 1

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Ligeia 1
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site