Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: A vida amorosa de Moll Flanders

Página 7
A vida amorosa de Moll Flanders

O meu verdadeiro nome é tão conhecido nos arquivos ou cadastros de Newgate e de Old Bailey, e há algumas coisas tão importantes ainda dependentes daí e relacionadas com a minha conduta particular, que não seria de esperar que divulgasse o meu nome ou a minha família neste trabalho. Talvez seja melhor dá-lo a conhecer depois da minha morte; agora não seria decente, nem mesmo que fosse decretado um perdão geral, sem excepção de pessoas ou delitos.

Basta dizer que alguns dos meus piores camaradas, que já não podem fazer-me mal (saíram do mundo pela forca, como eu própria tantas vezes esperei sair), me conheciam pelo nome de Moll Flanders, e portanto peço licença para falar de mim mesma sob esse nome, até me atrever a admitir quem fui, assim como quem sou.

Disseram-me que numa nação vizinha, não sei se a França se qualquer outra, existe uma ordem do rei segundo a qual, quando um criminoso é condenado à morte, às galés ou à deportação e deixa filhos, como estes ficam geralmente desprovidos de meios de subsistência pela pobreza ou confiscação dos bens dos pais, o governo toma imediatamente conta deles e interna-os num asilo chamado Casa dos Órfãos, onde os criam, vestem, alimentam, educam e, quando estão aptos para isso, os colocam em pro- fissões ou empregos, de maneira a poderem bastar-se a si mesmos graças a um comportamento honesto e laborioso.

Se este costume fosse adaptado no nosso país, eu não teria sido uma pobre e desolada rapariguinha abandonada, sem amigos, sem roupas, sem ajuda nem protector em todo o mundo, como foi meu destino - um destino que não só me expôs a grande miséria, antes mesmo de eu ser ca- paz de compreender o meu caso ou de saber remediá-lo, mas me lançou também num rumo de vida que, além de em si mesmo vergonhoso, favorecia a rápida destruição da alma e do corpo.

<< Página Anterior

pág. 7 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Vida Amorosa de Moll Flanders
Páginas: 359
Página atual: 7

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Prefácio 1
A vida amorosa de Moll Flanders 7
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site