Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 1: Capítulo 1

Página 2

- Oh, não! Nada disso! O facto é que o assunto é muito simples, muito simples mesmo, e não duvido que nós próprios o possamos resolver perfeitamente; mas pensei que Dupin gostasse de o conhecer em pormenor porque é tão excessivamente bizarro!

- Simples e bizarro - disse Dupin.

- É isso mesmo; e por outro lado não é nada disso. O facto é que ficámos todos bastante confusos porque se trata de um caso tão simples e que apesar disso não lhe encontramos solução.

- Talvez seja a própria simplicidade que os deixa embaraçados - disse o meu amigo.

- Que disparates o senhor diz! - respondeu o prefeito rindo alegremente.

- Talvez o mistério seja demasiado evidente - disse Dupin.

- Deus do Céu! Quem já ouviu falar em tal?

- Demasiado claro!

- Ah! ah! ah!... Ah! ah! ah!... Oh! oh! oh! - gargalhou o nosso hóspede divertidíssimo. - Ah, Dupin, você ainda me há-de fazer morrer de riso!

- Mas, no fim de contas, de que caso se trata? - perguntei.

- Bom, vou dizer-lhes - respondeu o prefeito, soprando uma longa e contemplativa fumaça e recostando-se na cadeira. - Vou resumi-lo em poucas palavras. Mas antes de começar deixem-me avisá-los de que este caso requer o máximo segredo e que provavelmente perderia o lugar que agora ocupo se se viesse a saber que o confiei a quem quer que seja.

- Comece - disse eu.

- Ou então não comece - disse Dupin.

- Ora bem; fui informado particularmente, e por alguém altamente colocado, que um certo documento da maior importância foi roubado dos aposentos reais. Sabe-se quem o roubou; aí não há dúvidas. Alguém o viu tirá-lo. Também se sabe que o objecto continua nas suas mãos.

- Como é que se sabe isso? - perguntou Dupin.

- Deduz-se claramente - replicou o prefeito - da natureza do documento e do não aparecimento de certos resultados que surgiriam inevitavelmente se o documento saísse das mãos do ladrão; ou seja se fosse utilizado como ele deve tencionar utilizá-lo.

- Explique-se melhor - disse eu.

<< Página Anterior

pág. 2 (Capítulo 1)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Carta Roubada
Páginas: 19
Página atual: 2

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site