Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > Farsa de Inês Pereira

Capa do livro Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Título: Farsa de Inês Pereira
Ano de Edição: 1523
Páginas: 42
Sinopse:
Entre o «asno» e o «cavalo» do mote inicial oscilará Inês Pereira, a personagem principal, jovem casadoira mas exigente. O «asno» é Pêro Marques, o seu primeiro pretendente, que lhe é trazido por Lianor da Vaz, alcoviteira típica do tempo. Pêro Marques, lavrador inculto que nunca viu sequer uma cadeira, personifica a rusticitas, que porque se opõe diametralmente à urbanitas cortês, à referida cultura assente em convenções comportamentais, não deixa de provocar o riso, assim funcionando como mecanismo subliminar do auto-elogio da Corte. Inês Pereira recusa-o, pois pretende antes alguém que demonstre alguma urbanidade, alguém que, à boa maneira da Corte, saiba combater, fazer versos, cantar e dançar, alguém como Brás da Mata, o segundo pretendente, que lhe é trazido pelos Judeus Casamenteiros, um pouco menos sinceros e bem-intencionados do que Lianor Vaz.

As farsas são diametralmente opostas às «moralidades» e baseiam-se em temas da vida quotidiana, tendo um enredo cómico e profano.

Curiosidades:
Foi representada pela primeira vez a João III de Portugal no Convento de Cristo, em Tomar, em 1523.
Excerto:
«Logo eu adivinhei, lá na missa onde eu estava, como a minha Ines lavrava, a tarefa que lh’eu dei. Acaba esse travesseiro! Hui! Nasceu-te algum unheiro? Ou cuidas que he dia sancto? »
anúncio
Os capítulos deste livro:
Introdução 1
Farsa de Inês Pereira 2
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site