Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: VIII

Página 37
- “Não é que lhe tínhamos rezado por alma, e nunca deixámos de pronunciar o seu nome em saudosas lágrimas.”

- “Como tendes vivido?” - perguntou o visconde.

- “Pobre, mas honradamente” - respondeu Josefa, dando-se uns ares austeros, e pondo os olhos em branco, como quem invoca o céu por testemunha.

- “Ainda bem!” - tornou o visconde - “mas que modo de vida tem sido o vosso?”

- “O trabalho, meu querido António, o trabalho de nossa filha tem sido o amparo da sua honra e da minha velhice. Tu abandonastes-nos com tamanha crueldade!... Que mal te fizemos nós?”

- “Nenhum, mas não vos disse eu que vos considerava mortas?” - respondeu o visconde a sua mulher, que tivera a habilidade de arrancara duas volumosas lágrimas, tanto a propósito.

- “O passado, passado” ¬ disse Laura, afagando carinhosamente as mãos paternas, e dando-se uns ares de inocência capazes de iludir S. Simão Estilista. - “Quer o pai saber” (prosseguiu ela com sentimento) “qual tem sido a minha vida? Olhe, meu pai, não se envergonhe da posição social em que encontra sua filha... Tenho sido modista, tenho trabalhado incessantemente... Tenho lutado com as tentações da penúria, e tenho feito consistir em minhas lágrimas o meu triunfo...”

- “Bem, minha filha” - interrompeu o visconde com sincera contrição ¬ “esqueçamos o passado... De hora em diante será a abundância o prémio da tua virtude... Ora diz-me: o mundo sabe que tu és minha filha?... Disseste a alguém que era teu marido, Josefa?”

- “Não, meu pai.” - “Não, meu Antoninho.” ¬ responderam ambas, como se tivessem previsto e calculado as perguntas e as respostas.

- “Pois bem,” - continuou o visconde - “vamos a conciliar com o mundo as nossas posições presentes, passadas e futuras. De hora avante, Laura, és minha filha, és filha do visconde do Prado, e não podes chamar-te Laura.

<< Página Anterior

pág. 37 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Coisas que só eu sei
Páginas: 51
Página atual: 37

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 7
III 12
IV 18
V 22
VI 27
VII 32
VIII 36
IX 40
X 46
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site