Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > Auto da Alma

Capa do livro Auto da Alma de Gil Vicente
Título: Auto da Alma
Título: Auto da Alma
Ano de Edição: 1518
Páginas: 31
Sinopse:
O autor mostra-nos a Alma humana, no decurso do seu peregrinar terreno, alternadamente submetida às solicitações do Diabo e do Anjo da Guarda. Assim, a alegoria serve para tratar o tema da redenção. Os textos litúrgicos cantados na última parte do auto confirmam o seu carácter de moralidade. De acordo com o próprio autor, da mesma forma que são necessárias as estalagens para repouso e refeição dos caminhantes, é necessária a existência de uma estalajadeira para ajudar as almas que caminham desta vida para a outra (a morte) nos momentos de repouso e das refeições. Esta estalajadeira é a Santa Madre Igreja que, auxiliada pelos seus quatro doutores (Sto. Agostinho, Sto. Ambrósio, S. Jerónimo e S. Tomás), serve à mesa as insígnias da paixão de Cristo. Trata-se de uma alegoria da Parábola do Samaritano que nos conta como o mundo é apenas uma passagem para a vida verdadeira e eterna.

Considerado a mais notável produção do ciclo de moralidade e doutrinação religiosa, foi feito em homenagem à rainha D. Leonor e representado (a seu pedido) perante o rei D. Manuel, em Lisboa, nos Paços da Ribeira, em 1518. Todo o drama constitui uma alegoria da luta eterna entre o Mal e o Bem. As personagens que o constituem são: Alma, Anjo Custódio, Igreja, Sto. Agostinho, Sto. Ambrósio, S. Jerónimo, S. Tomás e dois diabos.

Curiosidades:
Como os caminhantes precisam de uma estalagem para repousarem, também as almas necessitam de uma estalajadeira que as ajude no caminho desta vida para a morte. A estalajadeira é a Santa Madre Igreja.
Excerto:
«Sua morte foi avença, dando, por dar-nos paraíso, a sua vida apreçada, sem detença, por sentença, julgada a paga em proviso, e recebida.»
anúncio
Os capítulos deste livro:
Auto da Alma – Introdução de Gil Vicente 1
Argumento 2
Parte I 3
Parte II 5
Parte III 8
Parte IV 11
Parte V 12
Parte VI 13
Parte VII 18
Parte VIII 21
Parte IX 23
Parte X 28
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site