Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 104

Capítulo 14: Telémaco Reconhece Ulisses

Página 104

Minerva acordou-o e incitou-o a que não se demorasse longe da sua Pátria, onde os pretendentes continuavam a abusar da hospitalidade forçada de Penélope. Avisou-o também que os pretendentes lhe preparavam uma cilada, para o matarem no caminho do regresso. O que havia a fazer? Não desembarcar no porto principal de Ítaca, mas antes perto da casa de Eumeu, onde deveria descansar e mandar notícias a Penélope pelo feitor. Depois - estaria seguro...

Telémaco, mal a deusa desapareceu, acordou Pisístrato, e rogou-lhe que preparasse tudo para a viagem. Foram ao palácio de Menelau, e o rei ordenou que oferecessem a Telémaco o melhor barco e os melhores remadores, e presentes valiosos. Telémaco ardia na pressa de partir!... Aparelha o barco, desfralda as velas, e, com o auxílio dos remos, navega celeremente no rumo de Ítaca. Minerva vigiava o caminho, e evitou que o navio tocasse no porto onde os pretendentes esperavam, para o matar, o leal filho de Ulisses.

Ulisses, no entanto, conversava com Eumeu. E mais uma vez tentava experimentar a sua amizade, dizendo-lhe que não queria continuar a pesar-lhe, e que partiria breve, a pedir esmola a gente menos pobre. Eumeu pedia-lhe que ficasse, e anunciou-lhe

<< Página Anterior

pág. 104 (Capítulo 14)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Odisseia
Páginas: 129
Página atual: 104

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
A Odisseia 1
Telémaco e os Pretendentes 2
Calipso 8
A Tempestade 13
Nausica 19
O Cavalo de Pau 32
Polifemo e Ninguém 41
Éolo e Circe 54
Ulisses no Inferno 66
As Sereias Sila e Caribdes 75
Os Rebanhos do Sol 85
Ulisses Despede-se de Córcira 90
Eumeu, o Feitor de Ulisses 96
Telémaco Reconhece Ulisses 103
Argus, o Cão Fiel 114
Derrota dos Pretendentes, Vitória de Ulisses 118
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site