Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: V

Página 72
V

ESPEROU. DIANTE DOS SEUS OLHOS as máquinas giravam num trabalho lento, que no momento de o navio entrar num dos seus mergulhos loucos cessava completamente ao grito de «Atenção, Beale!» do senhor Rout. As máquinas paravam então numa imobilidade inteligente, subitamente detidas, um pesado volante interrompia o seu movimento, como consciente do perigo e da passagem do tempo. Depois, com um «É agora!» do chefe e o som de um sopro expelido por entre uns dentes cerrados, completavam a revolução interrompida e iniciavam outra.

Havia a prudente sagacidade da sabedoria e a ponderação de uma força enorme nos seus movimentos. Era este o trabalho delas - esta paciente condução de um navio sacudido pela fúria das vagas e rumando a direito contra o vento. De vez em quando o queixo do senhor Rout caía-lhe sobre o peito, e ele punha-se a observá-las com os sobrolhos franzidos como se perdido em pensamentos.

A voz que afastava o furacão dos ouvidos de Jukes começou: «Leve os marinheiros consigo...», e desapareceu inesperadamente.

- Que posso eu fazer com eles, sir?

Um som metálico, abrupto, imperioso, explodiu subitamente. Os três pares de olhos voaram para o mostrador do telégrafo e viram o ponteiro saltar de TODA A FORÇA para ATENÇÃO como se subitamente agarrado por um diabo. E depois esses três homens na casa das máquinas tiveram a íntima sensação de uma hesitação do navio, de uma estranha contracção, como se ele estivesse a reunir forças para um salto desesperado.

- Pare-o! - bramiu o senhor Rout.

Ninguém - nem mesmo o capitão MacWhirr, que sozinho na ponte tinha tido um vislumbre da linha branca de espuma aproximando-se a uma altura tal que ele nem podia crer nos seus olhos - ninguém jamais havia de saber o grau de inclinação daquela vaga nem a pavorosa profundidade do abismo que o furacão tinha escavado atrás da parede líquida que se precipitava.

<< Página Anterior

pág. 72 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Tufão
Páginas: 103
Página atual: 72

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 37
IV 49
V 72
VI 91
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site