Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 29: CAPÍTULO XXIX - Da famosa aventura do barco encantado.

Página 233
CAPÍTULO XXIX - Da famosa aventura do barco encantado.

Dois dias depois de saírem da alameda, chegaram D. Quixote e Sancho ao rio Ebro, e o vê-lo foi uma coisa que deu grande gosto a D. Quixote, porque contemplou a amenidade das suas margens, a lucidez das suas águas, o sossego da sua corrente e a abundância dos seus líquidos cristais, cuja alegre vista renovou na sua memória mil amorosos pensamentos; especialmente, cismou no que vira na cova de Montesinos; que, ainda que o macaco de mestre Pedro lhe dissera que parte daquelas coisas eram verdade, e parte mentira, ele contentava-se com o dizer-se-lhe que algumas eram verdadeiras, para as considerar todas assim, às avessas de Sancho, que as tinha a todas por igual patranha. Caminhando, pois, deste modo, ofereceu-se-lhe à vista uma pequena barca, sem remos nem velas, que estava amarrada na praia a um tronco de uma árvore. Olhou D. Quixote para todos os lados e não viu pessoa alguma, e logo sem mais nem menos apeou-se de Rocinante, e mandou a Sancho que fizesse o mesmo ao ruço, e que a ambos os animais os amarrasse, muito bem amarrados, ao tronco de um álamo ou salgueiro que ali estava.

Perguntou-lhe Sancho o motivo daquele súbito apear e de semelhante amarração. Respondeu-lhe D. Quixote:

— Hás-de saber, Sancho, que este barco que aqui está não tem outro fim senão chamar-me e convidar-me a que entre nele e vá socorrer algum cavaleiro ou outra pessoa principal e necessitada, que deve de estar posta nalguma grande aflição; porque este é o estilo dos livros das histórias cavaleirescas e dos nigromantes que nelas se intrometem; e, quando algum cavaleiro está metido nalguns trabalhos que não possa ser libertado deles senão por mão de outro cavaleiro, ainda que os

<< Página Anterior

pág. 233 (Capítulo 29)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Dom Quixote de La Mancha – Livro Segundo
Páginas: 593
Página atual: 233

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
SEGUNDA PARTE / CAPÍTULO I - Do que passaram o cura e o barbeiro com D. Quixote acerca da sua enfermidade. 1
CAPÍTULO II - Que trata da notável pendência, que Sancho Pança teve com a sobrinha e ama de D. Quixote, e de outros sucessos graciosos. 14
CAPÍTULO III - Do divertido arrazoamento que houve entre D. Quixote, Sancho Pança e o bacharel Sansão Carrasco. 20
CAPÍTULO IV - Em que Sancho Pança satisfaz ao bacharel Carrasco, acerca das suas dúvidas e perguntas, com outros sucessos dignos de se saber e de se contar. 29
CAPÍTULO V - Da discreta e graciosa prática que houve entre Sancho Pança e sua mulher Teresa Pança, e outros sucessos dignos de feliz recordação. 35
CAPÍTULO VI -Do que passou D. Quixote com a sua sobrinha e a sua ama, capítulo dos mais importantes desta história toda. 42
CAPÍTULO VII - Do que passou D. Quixote com o seu escudeiro, e outros sucessos famosíssimos. 48
CAPÍTULO VIII - Onde se conta o que sucedeu a D. Quixote, indo ver a sua dama Dulcineia del Toboso. 56
CAPÍTULO IX - Onde se conta o que nele se verá. 64
CAPÍTULO X - Onde se conta a indústria que Sancho teve para encantar a senhora Dulcineia, e outros sucessos tão ridículos como verdadeiros. 68
CAPÍTULO XI - Da estranha aventura que sucedeu a D. Quixote com o carro ou carreta das cortes da morte. 78
CAPÍTULO XII - Da estranha aventura que sucedeu a D. Quixote com o bravo cavaleiro dos espelhos. 85
CAPÍTULO XIII - Onde prossegue a aventura do cavaleiro da Selva, com o discreto, novo e suave colóquio que houve entre os dois escudeiros. 92
CAPÍTULO XIV - Onde prossegue a aventura do cavaleiro da Selva. 99
CAPÍTULO XV - Onde se conta e dá notícia de quem era o cavaleiro dos Espelhos e o seu escudeiro. 112
CAPÍTULO XVI - Do que sucedeu a D. Quixote com um discreto cavaleiro da Mancha. 115
CAPÍTULO XVII - Onde se declara o último ponto a que chegou e podia chegar o inaudito ânimo de D. Quixote, com a aventura dos leões, tão felizmente acabada. 126
CAPÍTULO XVIII - Do que sucedeu a D. Quixote no castelo ou casa do cavaleiro do Verde Gabão, com outras coisas extravagantes. 137
CAPÍTULO XIX - Onde se conta a aventura do pastor enamorado, com outros sucessos na verdade graciosos. 146
CAPÍTULO XX - Onde se contam as bodas de Camacho, o rico, e o sucesso de Basílio, o pobre. 154
CAPÍTULO XXI - Em que prosseguem as bodas de Camacho, com outros saborosos sucessos. 164
CAPÍTULO XXII - Onde se dá conta da grande aventura da cova de Montesinos, que está no coração da Mancha, e a que pôs feliz termo o valoroso D. Quixote. 171
CAPÍTULO XXIII - Das admiráveis coisas que o extremado D. Quixote contou que vira na profunda cova de Montesinos, coisas que, pela impossibilidade e grandeza, fazem que se considere apócrifa esta aventura. 180
CAPÍTULO XXIV - Onde se contam mil trapalhadas, tão impertinentes como necessárias ao verdadeiro entendimento desta grande história. 192
CAPÍTULO - XXV Onde se conta a aventura dos zurros, e o gracioso caso do homem dos títeres, com as memoráveis adivinhações do macaco. 199
CAPÍTULO XXVI - Onde continua a graciosa aventura do homem dos títeres, com outras coisas na verdade boníssimas. 210
CAPÍTULO XXVII - Onde se dá conta de quem eram mestre Pedro e o seu macaco, e também do mau resultado que tirou D. Quixote da aventura do zurro, a que não pôs o termo que desejava e pensava. 219
CAPÍTULO XXVIII - Das coisas que diz Benengeli, que saberá quem as ler, se as ler com atenção. 227
CAPÍTULO XXIX - Da famosa aventura do barco encantado. 233
CAPÍTULO XXX - Do que sucedeu a D. Quixote com uma bela caçadora. 241
CAPÍTULO XXXI - Que trata de muitas e grandes coisas. 247
CAPÍTULO XXXII - Da resposta que deu D. Quixote ao seu repreensor, com outros graves e graciosos sucessos. 256
CAPÍTULO XXXIII - Da saborosa prática que a duquesa e as suas donzelas tiveram com Sancho Pança, digna de que se leia e que se note. 271
CAPÍTULO XXXIV - Que dá conta da notícia que se teve de como se havia de desencantar a incomparável Dulcineia del Toboso, que é uma das aventuras mais famosas deste livro. 279
CAPÍTULO XXXV - Onde prossegue a notícia que teve D. Quixote, do desencantamento de Dulcineia, com outros admiráveis sucessos. 287
CAPÍTULO XXXVI - Onde se conta a estranha e nunca imaginada aventura de Dona Dolorida, aliás da condessa Trifaldi, com uma carta que Sancho Pança escreveu a sua mulher Teresa Pança. 295
CAPÍTULO XXXVII - Onde prossegue a famosa aventura da Dona Dolorida. 302
CAPÍTULO XXXVIII - Onde se conta o que disse das suas desventuras a Dona Dolorida. 305
CAPÍTULO XXXIX - Onde a Trifaldi prossegue na sua estupenda e memorável história. 312
CAPÍTULO XL - Das coisas que dizem respeito a esta aventura e a esta memorável história. 315
CAPÍTULO XLI - Da vinda de Clavilenho, com o fim desta dilatada aventura. 322
CAPÍTULO XLII - Dos conselhos que deu D. Quixote a Sancho Pança, antes de ele ir governar a ilha, com outras coisas bem consideradas. 333
CAPÍTULO XLIII - Dos segundos conselhos que deu D. Quixote a Sancho Pança. 339
CAPÍTULO XLIV - De como Sancho Pança foi levado para o governo, e da estranha aventura que sucedeu no castelo a D. Quixote. 345
CAPÍTULO XLV - De como Sancho Pança tomou posse da sua ilha, e do modo como principiou a governá-la. 355
CAPÍTULO XLVI - Da temerosa chuva de gatos barulhentos que recebeu D. Quixote, no decurso dos amores da enamorada Altisidora. 363
CAPÍTULO XLVII - Onde prossegue a narração do modo como se portava Sancho Pança no seu governo. 368
CAPÍTULO XLVIII - Do que sucedeu a D. Quixote com Dona Rodríguez, a dona da duquesa, com outros acontecimentos dignos de escritura e memória eterna. 378
CAPÍTULO XLIX - Do que sucedeu a Sancho Pança quando rondava a ilha. 387
CAPÍTULO L - Onde se declara quem foram os nigromantes e verdugos que açoitaram a dona, beliscaram e arranharam D. Quixote, com o sucesso que teve o pajem que levou a carta a Teresa Pança, mulher de Sancho Pança. 400
CAPÍTULO LI - Do progresso do governo de Sancho Pança, com outros sucessos curiosos. 410
CAPÍTULO LII - Onde se conta a aventura da segunda Dona Dolorida ou Angustiada, chamada por outro nome Dona Rodríguez. 419
CAPÍTULO LIII - Do cansado termo e remate que teve o governo de Sancho. 427
CAPÍTULO LIV - Que trata de coisas tocantes a esta história, e a nenhuma outra. 434
CAPÍTULO LV - De coisas sucedidas a Sancho, e outras que não há mais que ver. 443
CAPÍTULO LVI - Da descomunal e nunca vista batalha que houve entre D. Quixote de la Mancha e o lacaio Tosilos, em defesa da filha da dona da duquesa, Dona Rodríguez. 451
CAPÍTULO LVII - Que trata de como D. Quixote se despediu do duque, e do que sucedeu com a discreta e desenvolta Altisidora, donzela da duquesa. 457
CAPÍTULO LVIII - Que trata de como choveram em cima de D. Quixote tantas aventuras, que não tinha vagar para todas. 461
CAPÍTULO LIX - Onde se conta o extraordinário caso, que se pode chamar aventura, que aconteceu a D. Quixote. 474
CAPÍTULO LX - Do que sucedeu a D. Quixote no caminho de Barcelona. 483
CAPÍTULO LXI - Do que sucedeu a D. Quixote na entrada de Barcelona, com outras coisas que têm mais de verdadeiras que de discretas. 497
CAPÍTULO LXII - Que trata da aventura da cabeça encantada, com outras ninharias que não podem deixar de se contar. 501
CAPÍTULO LXIII - De como Sancho Pança se deu mal com a visita às galés e da nova aventura da formosa mourisca. 514
CAPÍTULO LXIV - Que trata da aventura que mais afligiu D. Quixote de todas quantas até então lhe tinham acontecido. 525
CAPÍTULO LXV - Em que se dá notícia de quem era o cavaleiro da Branca Lua, com a liberdade de D. Gregório e outros sucessos. 530
CAPÍTULO LXVI - Que trata do que verá quem o ler, ou do que ouvirá quem o ouvir ler. 536
CAPÍTULO LXVII - Da resolução que tomou D. Quixote de se fazer pastor e seguir a vida do campo, durante o ano da sua promessa, com outros sucessos, na verdade gostosos e bons. 542
CAPÍTULO LXVIII - Da aventura suína que aconteceu a D. Quixote. 548
CAPÍTULO LXIX - Do mais raro e mais novo sucesso, que em todo o decurso desta grande história aconteceu a D. Quixote. 554
CAPÍTULO LXX - Que se segue ao sessenta e nove e trata de coisas que não são escusadas para a clareza desta história. 560
CAPÍTULO LXXI - Do que sucedeu a D. Quixote com o seu escudeiro Sancho, quando ia para a sua aldeia. 568
CAPÍTULO LXXII - De como D. Quixote e Sancho chegaram à sua aldeia. 574
CAPÍTULO LXXIII - Dos agouros que teve D. Quixote ao entrar na sua aldeia, com outros sucessos que são adorno e crédito desta grande história. 580
CAPÍTULO LXXIV - De como D. Quixote adoeceu, e do testamento que fez, e da sua morte. 586
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site