Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 68: CAPÍTULO LXVIII - Da aventura suína que aconteceu a D. Quixote.

Página 548
CAPÍTULO LXVIII - Da aventura suína que aconteceu a D. Quixote.

Era a noite um pouco escura, apesar de estar a lua no céu, mas não em sítio em que pudesse ser vista, que às vezes a senhora Diana vai passear para os antípodas e deixa os montes negros e os vales escuros. Satisfez D. Quixote as reclamações da natureza, dormindo o primeiro sono sem dar lugar ao segundo, bem às avessas de Sancho, que nunca teve segundo sono, porque dormia desde o cair da noite até ao romper da manhã, fato em que se mostravam a sua boa compleição e poucos cuidados. Os de D. Quixote desvelaram-no tanto, que acordou Sancho e disse-lhe:

— Estou maravilhado, Sancho, da liberdade da tua condição. Imagino que és feito de mármore ou de duro bronze, coisas que não têm movimento nem sentimento algum. Velo quando tu dormes, choro quando cantas, desmaio de fraqueza quando estás farto. É próprio de bons criados ajudar seus amos a sofrer as suas mágoas e sentir o que eles sentirem, ao menos para não parecer mal. Vê a serenidade desta noite, a solidão em que estamos, que nos convidam a intercalar no nosso sono alguma vigília. Levanta-te, por vida tua, afasta-te daqui um pedaço e, com ânimo e denodo, dá em ti mesmo duzentos ou trezentos açoites, por conta dos do desencantamento de Dulcineia, e isto peço-to rogando, que não quero travar luta contigo, como da outra vez, porque sei que tens a mão pesada.

Depois de te haveres açoitado, passaremos o resto da noite, cantando eu a minha ausência e tu a tua firmeza, dando desde já princípio ao exercício pastoril que seguiremos na nossa aldeia.

— Senhor: eu não sou religioso, para me levantar, no meio do meu sono, e açoitar-me, nem também me parece que do extremo do rigor dos açoites se possa passar para o outro extremo da música.

<< Página Anterior

pág. 548 (Capítulo 68)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Dom Quixote de La Mancha – Livro Segundo
Páginas: 593
Página atual: 548

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
SEGUNDA PARTE / CAPÍTULO I - Do que passaram o cura e o barbeiro com D. Quixote acerca da sua enfermidade. 1
CAPÍTULO II - Que trata da notável pendência, que Sancho Pança teve com a sobrinha e ama de D. Quixote, e de outros sucessos graciosos. 14
CAPÍTULO III - Do divertido arrazoamento que houve entre D. Quixote, Sancho Pança e o bacharel Sansão Carrasco. 20
CAPÍTULO IV - Em que Sancho Pança satisfaz ao bacharel Carrasco, acerca das suas dúvidas e perguntas, com outros sucessos dignos de se saber e de se contar. 29
CAPÍTULO V - Da discreta e graciosa prática que houve entre Sancho Pança e sua mulher Teresa Pança, e outros sucessos dignos de feliz recordação. 35
CAPÍTULO VI -Do que passou D. Quixote com a sua sobrinha e a sua ama, capítulo dos mais importantes desta história toda. 42
CAPÍTULO VII - Do que passou D. Quixote com o seu escudeiro, e outros sucessos famosíssimos. 48
CAPÍTULO VIII - Onde se conta o que sucedeu a D. Quixote, indo ver a sua dama Dulcineia del Toboso. 56
CAPÍTULO IX - Onde se conta o que nele se verá. 64
CAPÍTULO X - Onde se conta a indústria que Sancho teve para encantar a senhora Dulcineia, e outros sucessos tão ridículos como verdadeiros. 68
CAPÍTULO XI - Da estranha aventura que sucedeu a D. Quixote com o carro ou carreta das cortes da morte. 78
CAPÍTULO XII - Da estranha aventura que sucedeu a D. Quixote com o bravo cavaleiro dos espelhos. 85
CAPÍTULO XIII - Onde prossegue a aventura do cavaleiro da Selva, com o discreto, novo e suave colóquio que houve entre os dois escudeiros. 92
CAPÍTULO XIV - Onde prossegue a aventura do cavaleiro da Selva. 99
CAPÍTULO XV - Onde se conta e dá notícia de quem era o cavaleiro dos Espelhos e o seu escudeiro. 112
CAPÍTULO XVI - Do que sucedeu a D. Quixote com um discreto cavaleiro da Mancha. 115
CAPÍTULO XVII - Onde se declara o último ponto a que chegou e podia chegar o inaudito ânimo de D. Quixote, com a aventura dos leões, tão felizmente acabada. 126
CAPÍTULO XVIII - Do que sucedeu a D. Quixote no castelo ou casa do cavaleiro do Verde Gabão, com outras coisas extravagantes. 137
CAPÍTULO XIX - Onde se conta a aventura do pastor enamorado, com outros sucessos na verdade graciosos. 146
CAPÍTULO XX - Onde se contam as bodas de Camacho, o rico, e o sucesso de Basílio, o pobre. 154
CAPÍTULO XXI - Em que prosseguem as bodas de Camacho, com outros saborosos sucessos. 164
CAPÍTULO XXII - Onde se dá conta da grande aventura da cova de Montesinos, que está no coração da Mancha, e a que pôs feliz termo o valoroso D. Quixote. 171
CAPÍTULO XXIII - Das admiráveis coisas que o extremado D. Quixote contou que vira na profunda cova de Montesinos, coisas que, pela impossibilidade e grandeza, fazem que se considere apócrifa esta aventura. 180
CAPÍTULO XXIV - Onde se contam mil trapalhadas, tão impertinentes como necessárias ao verdadeiro entendimento desta grande história. 192
CAPÍTULO - XXV Onde se conta a aventura dos zurros, e o gracioso caso do homem dos títeres, com as memoráveis adivinhações do macaco. 199
CAPÍTULO XXVI - Onde continua a graciosa aventura do homem dos títeres, com outras coisas na verdade boníssimas. 210
CAPÍTULO XXVII - Onde se dá conta de quem eram mestre Pedro e o seu macaco, e também do mau resultado que tirou D. Quixote da aventura do zurro, a que não pôs o termo que desejava e pensava. 219
CAPÍTULO XXVIII - Das coisas que diz Benengeli, que saberá quem as ler, se as ler com atenção. 227
CAPÍTULO XXIX - Da famosa aventura do barco encantado. 233
CAPÍTULO XXX - Do que sucedeu a D. Quixote com uma bela caçadora. 241
CAPÍTULO XXXI - Que trata de muitas e grandes coisas. 247
CAPÍTULO XXXII - Da resposta que deu D. Quixote ao seu repreensor, com outros graves e graciosos sucessos. 256
CAPÍTULO XXXIII - Da saborosa prática que a duquesa e as suas donzelas tiveram com Sancho Pança, digna de que se leia e que se note. 271
CAPÍTULO XXXIV - Que dá conta da notícia que se teve de como se havia de desencantar a incomparável Dulcineia del Toboso, que é uma das aventuras mais famosas deste livro. 279
CAPÍTULO XXXV - Onde prossegue a notícia que teve D. Quixote, do desencantamento de Dulcineia, com outros admiráveis sucessos. 287
CAPÍTULO XXXVI - Onde se conta a estranha e nunca imaginada aventura de Dona Dolorida, aliás da condessa Trifaldi, com uma carta que Sancho Pança escreveu a sua mulher Teresa Pança. 295
CAPÍTULO XXXVII - Onde prossegue a famosa aventura da Dona Dolorida. 302
CAPÍTULO XXXVIII - Onde se conta o que disse das suas desventuras a Dona Dolorida. 305
CAPÍTULO XXXIX - Onde a Trifaldi prossegue na sua estupenda e memorável história. 312
CAPÍTULO XL - Das coisas que dizem respeito a esta aventura e a esta memorável história. 315
CAPÍTULO XLI - Da vinda de Clavilenho, com o fim desta dilatada aventura. 322
CAPÍTULO XLII - Dos conselhos que deu D. Quixote a Sancho Pança, antes de ele ir governar a ilha, com outras coisas bem consideradas. 333
CAPÍTULO XLIII - Dos segundos conselhos que deu D. Quixote a Sancho Pança. 339
CAPÍTULO XLIV - De como Sancho Pança foi levado para o governo, e da estranha aventura que sucedeu no castelo a D. Quixote. 345
CAPÍTULO XLV - De como Sancho Pança tomou posse da sua ilha, e do modo como principiou a governá-la. 355
CAPÍTULO XLVI - Da temerosa chuva de gatos barulhentos que recebeu D. Quixote, no decurso dos amores da enamorada Altisidora. 363
CAPÍTULO XLVII - Onde prossegue a narração do modo como se portava Sancho Pança no seu governo. 368
CAPÍTULO XLVIII - Do que sucedeu a D. Quixote com Dona Rodríguez, a dona da duquesa, com outros acontecimentos dignos de escritura e memória eterna. 378
CAPÍTULO XLIX - Do que sucedeu a Sancho Pança quando rondava a ilha. 387
CAPÍTULO L - Onde se declara quem foram os nigromantes e verdugos que açoitaram a dona, beliscaram e arranharam D. Quixote, com o sucesso que teve o pajem que levou a carta a Teresa Pança, mulher de Sancho Pança. 400
CAPÍTULO LI - Do progresso do governo de Sancho Pança, com outros sucessos curiosos. 410
CAPÍTULO LII - Onde se conta a aventura da segunda Dona Dolorida ou Angustiada, chamada por outro nome Dona Rodríguez. 419
CAPÍTULO LIII - Do cansado termo e remate que teve o governo de Sancho. 427
CAPÍTULO LIV - Que trata de coisas tocantes a esta história, e a nenhuma outra. 434
CAPÍTULO LV - De coisas sucedidas a Sancho, e outras que não há mais que ver. 443
CAPÍTULO LVI - Da descomunal e nunca vista batalha que houve entre D. Quixote de la Mancha e o lacaio Tosilos, em defesa da filha da dona da duquesa, Dona Rodríguez. 451
CAPÍTULO LVII - Que trata de como D. Quixote se despediu do duque, e do que sucedeu com a discreta e desenvolta Altisidora, donzela da duquesa. 457
CAPÍTULO LVIII - Que trata de como choveram em cima de D. Quixote tantas aventuras, que não tinha vagar para todas. 461
CAPÍTULO LIX - Onde se conta o extraordinário caso, que se pode chamar aventura, que aconteceu a D. Quixote. 474
CAPÍTULO LX - Do que sucedeu a D. Quixote no caminho de Barcelona. 483
CAPÍTULO LXI - Do que sucedeu a D. Quixote na entrada de Barcelona, com outras coisas que têm mais de verdadeiras que de discretas. 497
CAPÍTULO LXII - Que trata da aventura da cabeça encantada, com outras ninharias que não podem deixar de se contar. 501
CAPÍTULO LXIII - De como Sancho Pança se deu mal com a visita às galés e da nova aventura da formosa mourisca. 514
CAPÍTULO LXIV - Que trata da aventura que mais afligiu D. Quixote de todas quantas até então lhe tinham acontecido. 525
CAPÍTULO LXV - Em que se dá notícia de quem era o cavaleiro da Branca Lua, com a liberdade de D. Gregório e outros sucessos. 530
CAPÍTULO LXVI - Que trata do que verá quem o ler, ou do que ouvirá quem o ouvir ler. 536
CAPÍTULO LXVII - Da resolução que tomou D. Quixote de se fazer pastor e seguir a vida do campo, durante o ano da sua promessa, com outros sucessos, na verdade gostosos e bons. 542
CAPÍTULO LXVIII - Da aventura suína que aconteceu a D. Quixote. 548
CAPÍTULO LXIX - Do mais raro e mais novo sucesso, que em todo o decurso desta grande história aconteceu a D. Quixote. 554
CAPÍTULO LXX - Que se segue ao sessenta e nove e trata de coisas que não são escusadas para a clareza desta história. 560
CAPÍTULO LXXI - Do que sucedeu a D. Quixote com o seu escudeiro Sancho, quando ia para a sua aldeia. 568
CAPÍTULO LXXII - De como D. Quixote e Sancho chegaram à sua aldeia. 574
CAPÍTULO LXXIII - Dos agouros que teve D. Quixote ao entrar na sua aldeia, com outros sucessos que são adorno e crédito desta grande história. 580
CAPÍTULO LXXIV - De como D. Quixote adoeceu, e do testamento que fez, e da sua morte. 586
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site