Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: Capítulo 4

Página 52

Meu Deus, como tudo isto acabou! De que modo acabou! Cheguei às nove horas. Ela já lá estava. Vira-a já de longe. Estava como da primeira vez, com os cotovelos apoiados no parapeito da muralha, e não se apercebeu da minha aproximação.

— Nastenka!—chamei, reprimindo a custo a minha emoção.

Voltou-se rapidamente para mim.

— Sim—disse ela—, venha depressa!

Olhei-a, perplexo.

— Então, onde está a carta? Trouxe-a?—repetiu, apoiando as mãos no parapeito.

— Não, não há carta...—disse eu finalmente.—Então ele não está ainda em sua casa?

Ela empalideceu terrivelmente e olhou-me sem fazer sequer um movimento. Eu destruíra a sua derradeira esperança.

— Então, que Deus o guarde! — proferiu, com uma voz entrecortada. — Que vá para o diabo, já que me abandona assim.

Baixou os olhos, depois quis fitar-me, mas não foi capaz. Por alguns minutos ainda^j procurou dominar a sua perturbação, mas bruscamente voltou-se e, apoiando os cotovelos na balaustrada do cais, rompeu em pranto.

— Basta! Vamos! — disse eu, mas, ao vê-la assim, não tive coragem para prosseguir; e, aliás, que lhe teria podido dizer?

<< Página Anterior

pág. 52 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Noites Brancas
Páginas: 67
Página atual: 52

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 14
Capítulo 3 44
Capítulo 4 52
Capítulo 5 65
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site