Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > A Linha de Sombra

Capa do livro A Linha de Sombra de Joseph Conrad
Título: The Shadow Line
Ano de Edição: 1917
Páginas: 155
Sinopse:
O título completo deste romance é: A Linha de Sombra, Uma Confissão (The Shadow-Line, A Confession), que imediatamente alerta o leitor para a natureza retrospectiva do romance. A construção irónica explorada através do conflito entre o «jovem» protagonista (que nunca é nomeado) e o «velho» conduz os pontos subjacentes da história.
Esta narrativa foi considerada, por muitos críticos literários, uma metáfora à segunda guerra mundial devido às referência a batalhas longas e a importância da camaradagem. Esta teoria é reforçada pelo facto de o filho mais velho de Conrad, Borys, ter sido ferido na Primeira Guerra Mundial. Outros olham para este romance como uma história com influências do sobrenatural, justificando as referências ao «fantasma do Capitão anterior» ou a «loucura do primeiro imediato, Sr. Burns».

Sinopse da Coleção Mil Folhas
«A Linha de Sombra», o título da última obra-prima de Joseph Conrad, datada de 1917, é aquele limite, tão indefinível e incompreensível, como inquietante e doloroso, que, num certo momento da vida, se desenha, de alguma maneira, para marcar irrevogavelmente o fim da juventude. Para o protagonista deste intenso romance, a manifestação dessa fronteira coincide com uma experiência excecional e dramática: oficial da marinha mercante na sua primeira comissão, depara-se no seu navio à vela com uma interminável calmaria no clima insalubre dos mares do Sudoeste asiático, enquanto vê a sua tripulação a ser dizimada por uma violenta epidemia de febre tropical.

À imobilidade cada vez mais ameaçadora e sinistra do navio contrapõe-se a intensificação, nos homens que o deveriam governar, de uma angústia e de um medo que de sub-reptícios passam gradualmente a espasmódicos, deixando o comandante na desolada solidão da sua responsabilidade e da sua impotência. Nos vinte dias de calmaria, metáfora extrema de um tempo e de um espaço terrivelmente concentrados, ele parecerá atravessar todas as fases de uma existência, descobrindo a maravilha no terror, ou a ânsia irremediável nos sobressaltos de alegria ou ainda a sensação de subtil derrota que se aninha num acontecimento liberatório. E quando dele sair, mostrará, de algum modo, o traço indelével de uma ferida da alma, no fundo da qual encontrará confusa e corajosamente a consciência definitiva da condição humana.

Curiosidades:
Este romance é notável pela sua estrutura de dupla narrativa.
Excerto:
«A sua expressão de astúcia vencedora era inenarrável. E continuava, porém, a ser uma figura estranhamente simpática. Era como se a sua bondade irradiasse em volta, num misto impressionante de indulgência e ridículo. Ao mesmo tempo, tudo aquilo era nele bastante irritante. »
anúncio
Os capítulos deste livro:
Nota do autor 1
I 6
II 42
II 43
III 64
IV 90
V 106
VI 129
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site