Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: IV

Página 90
IV

Com o ferro levantado e envergando o pano até aos galopes dos mastros, o meu barco parecia tão quieto como um modelo poisado nas manchas de sombra e os reflexos luminosos de uma superfície polida de mármore. Era completamente impossível distinguir a terra do mar no sossego inquietante das imensas forças deste mundo. Fui dominado por uma súbita impaciência.

«Não dá nada pelo leme?», disse eu, num tom irritado, para o homem cujas mãos, robustas e tisnadas, seguravam as malaguetas da roda do leme e sobressaíam, iluminadas no escuro, como um sinal de direito da espécie humana a ser senhora do próprio destino.

Ele respondeu-me:

«Dá, sim senhor. Está a orçar devagar.»

«Deixa-mo orçar até o navio ficar com proa do sul.» «Sim senhor,»

Entretanto, eu ia passeando pelo tombadilho.

Não se ouvia o menor som, para além do ruído dos meus passos, até que de novo o homem do leme falou. «Já está em proa do sul, comandante.»

Senti a caixa torácica um pouco apertada antes de soltar pela primeira vez o rumo do primeiro navio sob o meu comando, no silêncio daquela noite, carregada de gotas de humidade e brilhante de estrelas. Havia um sentido naquele acto que me ligava a uma vigilância ininterrupta ao longo da minha ocupação solitária.

«Aguenta a guinada. Assim!», disse eu finalmente. «o rumo é sul direito.»

«Sul direito», repetiu o homem do leme, num eco. Ordenei ao segundo piloto e a todo o seu quarto que recolhesse, e fiquei ao catavento, andando pelo tombadilho, durante as horas frias e sonolentas antes do nascer do dia.

Leves sopros de aragem levantavam-se e morriam, e quando eram suficientemente fortes para que o navio abrisse a sua esteira na escuridão das águas, o sussurrar do mar ao longo do costado atravessava-me o mais profundo do coração num prazer crescente e delicado, que em breve desfalecia.

<< Página Anterior

pág. 90 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Linha de Sombra
Páginas: 155
Página atual: 90

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do autor 1
I 6
II 42
II 43
III 64
IV 90
V 106
VI 129
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site