Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: V

Página 106
V

Ouvi o barulho próprio da tesoura que lhe fugia da mão, vi momentaneamente a perigosa volta dada por toda a sua pessoa na borda do beliche para voltar a apanhá-la e, a seguir, regressando ao meu objectivo inicial, prossegui a caminho do tombadilho. Encheu-me os olhos o brilho do mar. Estava esplêndido e deserto, monótono, sem uma só esperança, por baixo da curva vazia do céu. As velas caíam frouxas e imóveis; as próprias pregas do pano pendurado não se moviam mais do que se fossem esculpidas em granito. A minha aparição intempestiva ali causou um leve estremecimento no homem do leme. Lá por cima, um cadernal rangeu de modo absurdo. Que diabo o fazia chiar daquela maneira? Tratava-se de uma nota sibilante, como que de um pássaro. Durante muito tempo, vi-me cara a cara com um mundo vazio, mergulhei no interior de um silêncio infinito, repassado pelo sol que se derramava, entretanto, e fluía como se tivesse qualquer obscura e secreta intenção. Depois ouvi Ransome falar à minha ilharga:

«Voltei a deitar o senhor Burns no beliche, senhor comandante.»

«Voltou a deitá-lo?»

«É que ele tinha-se levantado de repente, e quando chegou depois à beira do beliche, caiu no chão. Mas acho que não está muito mal da cabeça.»

«Não», respondi-lhe eu, sombriamente, sem o olhar. Ransome esperou por um momento, depois - cauteloso, em tom de quem não quer ofender - disse: «Parece--me que não é preciso perder muito daquele pó, comandante. Vou varrê-lo grão a grão, até ao último, e a seguir separo-o dos vidros com uma peneira. Vou tratar já disso. Não hei-de atrasar muito o almoço; nem dez minutos».

«Pois sim», retorqui eu em voz amarga. «Não se preocupe com o almoço, varra tudo, grão a grão, e depois deite-o para o mar,»

Um profundo silêncio voltara a instalar-se e, quando finalmente olhei por cima do ombro, Ransome - o inteligente e tranquilo Ransome - desaparecera de junto de mim.

<< Página Anterior

pág. 106 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Linha de Sombra
Páginas: 155
Página atual: 106

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do autor 1
I 6
II 42
II 43
III 64
IV 90
V 106
VI 129
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site