Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: III

Página 89

Suspirou e eu deixei-o entregue à sua imobilidade. Estava tão fragilmente preso à vida, como frágil era o seu juízo. Sentia-me oprimido pelo peso da minha solitária responsabilidade. Dirigi-me ao meu camarote, procurando alívio em algumas horas de sono, mas, mal tinha fechado os olhos, desceu o homem de serviço no convés para me informar de uma ligeira brisa. O bastante para largar do fundeadouro, dissera ele.

Era tão somente o que bastava. Ordenei que virassem ao cabrestante largando o pano e caçando as velas. Mas quando pus o navio a caminho, mal se sentia o menor sopro de vento.

Apesar de tudo, soltei todo o pano e dei ordem de bracear as vergas. Não estava disposto a ser vencido.

<< Página Anterior

pág. 89 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Linha de Sombra
Páginas: 155
Página atual: 89

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do autor 1
I 6
II 42
II 43
III 64
IV 90
V 106
VI 129
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site