Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: II

Página 36

Jukes ouviu o seu capitão a censurá-lo.

- Mandei... que... me... chamassem... se... acontecesse... qualquer coisa.

O imediato tentou explicar, lutando para se fazer ouvir no meio do clamor crescente.

- Ligeira aragem... fiquei… ponte... de súbito... nordeste... podia voltar... pensei… o senhor.... certamente... havia... de... ouvir.

Tinham alcançado o abrigo de lona e podiam conversar elevando as vozes corno quando as pessoas discutem.

- Mandei os marinheiros fechar todos os ventiladores. Foi bom eu ter ficado no convés. Não pensei que estivesse a dormir e portanto... Que foi que disse, sir? Que foi?

- Nada - gritou o capitão MacWhirr. - Eu disse... está bem.

- Com todos os diabos! Desta vez apanhámo-lo - observou Jukes num uivo.

- Não alterou o rumo? - inquiriu o capitão MacWhirr esforçando a voz para se fazer ouvir.

- Não, sir. Claro que não. O vento veio mesmo direito a nós. E aí temos o mar pela proa.

Um mergulho do navio terminou num choque como se tivesse batido com o talha-mar contra um obstáculo sólido. Depois de uma pausa de imobilidade uma grande chuva de salpicos arremessados com força pelo vento fustigou-lhes a cara.

- Mantenha-o no rumo enquanto pudermos - gritou o capitão MacWhirr.

Antes de Jukes ter tido tempo de limpar a água salgada dos olhos todas as estrelas tinham desaparecido.

<< Página Anterior

pág. 36 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Tufão
Páginas: 103
Página atual: 36

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 37
IV 49
V 72
VI 91
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site