Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: D. PEDRO

Página 92
D. PEDRO

Pela encosta do Líbano, rugindo,

O noto furioso

Passou um dia, arremessando à terra

O cedro mais frondoso;

Assim te sacudiu da morte o sopro

Do carro da vitória,

Quando, ébrio de esperanças, tu sorrias,

Filho caro da glória.

Se, depois de procela em mar de escolhos,

A combatida nave

Vê terra e vento abranda, o porto aferra,

Com júbilo suave.

Também tu demandaste o Céu sereno,

Depois de uma árdua lida:

Deus te chamou: o prémio recebeste

Dos méritos da vida.

Que é esta? Um ermo de espinhais cortado,

Donde foge o prazer:

Para o justo ela existe além da campa:

Teme o ímpio o morrer.

Plante-se a acácia, o símbolo do livre,

Junto às cinzas do forte:

Ele foi rei — e combateu tiranos —

Chorai, chorai-lhe a morte!

Regada pelas lágrimas de um povo,

A planta crescerá;

E à sombra dela a fronte do guerreiro

Plácida pousará.

<< Página Anterior

pág. 92 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Harpa do Crente
Páginas: 117
Página atual: 92

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
A SEMANA SANTA 1
A VOZ 32
A ARRÁBIDA 35
MOCIDADE E MORTE 56
DEUS 71
A TEMPESTADE 76
O SOLDADO 82
D. PEDRO 92
A VITÓRIA E A PIEDADE 96
A CRUZ MUTILADA 106
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site