Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 3: III

Página 103
III

O rápido crepúsculo de Dezembro tinha caído aparatosamente, depois de um dia triste e, enquanto olhava para o rectângulo monótono da janela da sua sala de aulas, sentiu o estômago reclamar alimento. Desejava que houvesse guisado para o jantar, com nabos e cenouras e batatas esmagadas e gordos pedaços de carneiro, que seriam cobertos com colheres de um molho espesso e apimentado, engrossado com farinha. Enche bem essa pança, aconselhava o seu estômago.

A noite ia ser sórdida e secreta. Depois da queda prematura da noite, os candeeiros amarelos iriam acender-se, aqui e além, no sórdido bairro dos bordéis. Ele seguiria um percurso errante, subindo e descendo as ruas, aproximando-se cada vez mais, num tremor de receio e de alegria, até que os seus pés o faziam, subitamente, voltar uma esquina escura. As prostitutas estariam a sair das suas casas, preparando-se para a noite, bocejando preguiçosamente depois do sono e prendendo com ganchos os cabelos tufados. Ele passaria por elas calmamente, aguardando um movimento súbito da sua própria vontade ou um súbito chamamento da sua alma amante do pecado pela carne macia e perfumada das mulheres. Todavia, enquanto rondava, aguardando esse chamamento, os seus sentidos, embrutecidos pelo desejo, reparariam atentamente em tudo o que os pudesse ferir ou chocar; os seus olhos, um círculo de espuma de cerveja numa mesa sem toalha ou uma fotografia de dois soldados em sentido, ou um cartaz espalhafatoso; os seus ouvidos, a gíria arrastada dos convites:

- Viva, Bertie, o que é que te apetece hoje?

- És tu, filho?

- Número dez. A Nelly Fresca está à tua espera.

- Boa noite, maridinho! Que tal gozarmos um pouco?

A equação, na página do seu caderno, começou a alargar-se, abrindo uma larga cauda, cheia de olhos e estrelas, como a de um pavão; e, quando os olhos e estrelas dos seus expoentes foram eliminados, começou lentamente a embrulhar-se de novo.

<< Página Anterior

pág. 103 (Capítulo 3)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Retrato do Artista Quando Jovem
Páginas: 273
Página atual: 103

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 57
III 103
IV 156
V 186
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site