Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: II

Página 63
Toda uma espécie de pormenores, que um marinheiro é capaz de observar logo que chega, me feriram, acto contínuo, a retina, vivamente. De resto, era como se ele se tivesse libertado de todas as contingências materiais da existência. A terra, a que as amarras o prendiam, era como se nem sequer existisse. Para mim, que eram, afinal, todos os países do globo? Em todos os cantos do mundo, banhasse-os assim uma água navegável, as relações entre nós seriam as mesmas... mais intimas, na sua qualidade, do que é capaz de expressar a linguagem de todos os dias. Depois, tudo o mais, todas as cenas e peripécias, não seriam mais que um espectáculo efémero. Até a massa de coolies amarelos, tão activos à volta da escotilha grande, era menos real do que a matéria de que são feitos os sonhos. Como e porque diabo havia eu de sonhar com chineses?

Encaminhei-me para a ré, subi ao tombadilho, onde, sob o toldo, refulgia o cobre dos objectos acessórios, no estilo dos iates de recreio, brilhavam as superfícies polidas dos balaústres, o vidro das clarabóias. Ao fim da ré no tombadilho, lá estavam dois marinheiros entretidos a limpar o leme, com ondas de reflexos luminosos percorrendo-lhes voluvelmente as costas dobradas, e continuavam a sua tarefa, sem darem por mim, nem no olhar quase afectuoso que lhes enderecei ao passar, direito à escada que conduzia à câmara.

A porta estava aberta de par em par e a tampa de correr da gaiuta puxada para trás, por completo. A meia-volta das escadas cortava a vista da antecâmara. Subia de lá de baixo um trautear, que se interrompeu, todavia, de repente, ao som dos meus passos a descerem.

<< Página Anterior

pág. 63 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Linha de Sombra
Páginas: 155
Página atual: 63

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do autor 1
I 6
II 42
II 43
III 64
IV 90
V 106
VI 129
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site