Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: IV

Página 91
Sentia-me extremamente cansado. As próprias estrelas pareciam cansadas de esperar pelo romper do sol. Este chegou por fim, com um vivo fulgor de madrepérola no zénite, como eu nunca na minha vida o vira nos trópicos, sem cintilação, quase acinzentado, numa singular reminiscência de outras latitudes mais altas.

Da proa, gritou a voz do marinheiro de vigia: «Terra pela amurada de bombordo!»

«Está bem!»

Apoiado no corrimão do tombadilho, não levantei sequer os olhos. A marcha do navio era insensível. Ransome trouxe-me então a chávena de café da manhã. Depois de o beber, olhei para a proa, e na banda calma cor de laranja ténue, muito brilhante, vi o perfil da terra baixa, como se estivesse recortada num papel negro e dando a impressão de, leve como cortiça, flutuar à tona da água. Mas o sol nascente transformou tudo aquilo numa simples massa de vapor escuro, numa sombra duvidosa e densa, tremeleando o seu revérbero escaldante.

O quarto terminou com a baldeação do navio. Desci e detive-me à porta do camarote de Burns (ele não tolerava que a fechassem), mas hesitei em dirigir-me a ele até ao momento em que vi os olhos mexerem-se-lhe, Dei-lhe as últimas novidades.

«Avistei o cabo Liant já com luz do dia. Mais ou menos, a umas quinze milhas.»

Moveram-se-lhe os lábios, mas não conseguia ouvir nada, antes de me inclinar na sua direcção e distinguir assim o seguinte comentário mal-humorado: «É como andar de gatas... má sorte!».

«Mesmo assim, é melhor do que ter o navio parado por completo», fiz-lhe notar resignadamente e abandonando-o às fantasias e pensamentos que o assaltavam no decorrer da sua prostração desesperada.

Mais tarde, nessa mesma manhã, depois de rendido pelo segundo piloto, lancei-me num beliche, e, durante perto de três horas, consegui um real esquecimento do mundo.

<< Página Anterior

pág. 91 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Linha de Sombra
Páginas: 155
Página atual: 91

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do autor 1
I 6
II 42
II 43
III 64
IV 90
V 106
VI 129
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site