Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: RÍQUI -TÍQUI -TÁVI

Página 114

- Salvou-nos a vida e a de Teddy- disse ao marido. - Ora imagina, salvou-nos a vida a todos!

Ríqui-Tíqui acordou de chofre, pois todos os mangustos têm o sono leve.

- Oh! É você - disse ele. - Porque está você a apoquentar-se? As cobras estão todas mortas, e, se o não estivessem, estou eu aqui.

Ríqui-Tíqui tinha razão de se orgulhar de si mesmo; mas não se enfatuou de mais e guardou o quintal como um mangusto devia guardá-lo, com dentes e salto, pulo e ferradela, até que não houvesse cobra que se atrevesse a mostrar a cabeça dentro dos seus muros.

HINO DE DARZI
(CANTADO EM HONRA DE RÍQUI-TÍQUI-TÁVI)


Sou alfaiate e sou cantor,
Dobrados feitos são meu gozo,
Orgulho-me da voz que é um primor
E da casa que a pontos coso.
Por cima e por baixo, minha música assim teço,
E teço o lar que depois coso.

Canta outra vez aos tens filhinhos,
Mãe, eleva a fronte, que o mal
Que acometia nesses ninhos
Morreu! A morte jaz no quintal!
O terror oculto nas roseiras é impotente,
Lançado morto ao lodaçal!


Qual foi que nos livrou, mas qual?
Apregoai seu ninho e geração.
Ríqui, o valente, o leal,
Tíqui, o de olhos em tição.
Ríqui-Tíqui-Távi, o de unhas de marfim,
Caçador de olhos em tição.


Dai-lhe dos pássaros o louvor,
Chilreando de anca a arrebitar,
Co'a voz do rouxinol, cantor...
Não! Vou louvá-lo em seu lugar.
Ouvi! Vou cantar-vos os louvores de Ríqui,
O de cauda de garrafa e de olhos a faiscar.

(Aqui Ríqui-Tíqui interrompeu, e o resto da canção se perdeu.)

<< Página Anterior

pág. 114 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Livro da Selva
Páginas: 158
Página atual: 114

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
OS IRMÃOS DE MÁUGLI 1
A CAÇADA DE CÁ 24
TIGRE! TIGRE! 53
A FOCA BRANCA 74
RÍQUI -TÍQUI -TÁVI 97
TUMAI DOS ELEFANTES 115
SERVIDORES DE SUA MAJESTADE 138
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site