Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: TUMAI DOS ELEFANTES

Página 115
TUMAI DOS ELEFANTES

Lembrar-me eu quero do que fui. Farto estou de cadeia e corda,
Meu vigor d'outrora vou lembrar, vida que a selva recorda.
Por um feixe de cana-de-açúcar meu dorso não vou trocar;
Ao povo da floresta em seus covis, aos meus quero voltar.

Andar à solta até que rompa o dia, até que surja a aurora,
Sorver da brisa e do orvalho a carícia tonificadora.
A tenaz do tornozelo olvidar, partir estes grilhões!
Meus amores perdidos quero ver, livres e brincalhões!

Cala Nague, que quer dizer cobra negra, servira o Governo da Índia durante quarenta e sete anos, de todas as maneiras em que um elefante podia ser útil; e, como já tinha vinte anos pelo menos, quando foi apanhada, está agora com perto de setenta - idade madura para um elefante. Lembrava-se de ter empurrado, com uma grande almofada de couro na testa, um canhão atolado na lama, e isso antes da guerra afegã de 1842, quando não tinha ainda atingido a sua força plena. Sua mãe, Rada Piari - Rada, a queridinha -, que fora apanhada na mesma caçada com Cala Nague, contou-lhe, antes de ele ter mudado as presas de leite, que os elefantes medrosos se feriam sempre; e Cala Nague sabia que tal conselho era bom, porque da primeira vez que viu rebentar uma granada recuou, guinchando, sobre um castelo de espingardas empilhadas e as baionetas espetaram-se-lhe nos pontos mais sensíveis. Por isso, antes de ter vinte e cinco anos resolveu pôr de lado o medo, e era por isso o elefante mais querido e bem tratado ao serviço do Governo da Índia. Transportara tendas de campanha, seiscentos quilos de tendas em marcha na Índia Superior, fora içado para bordo de um navio na ponta de um guindaste a vapor, transportado por água alguns dias, e obrigado a carregar com um morteiro num país estranho e rochoso muito longe da Índia, vira o imperador Teodoro morto em Magdala e regressara de novo no vapor com direito, diziam os soldados, à medalha de guerra da Abissínia.

<< Página Anterior

pág. 115 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Livro da Selva
Páginas: 158
Página atual: 115

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
OS IRMÃOS DE MÁUGLI 1
A CAÇADA DE CÁ 24
TIGRE! TIGRE! 53
A FOCA BRANCA 74
RÍQUI -TÍQUI -TÁVI 97
TUMAI DOS ELEFANTES 115
SERVIDORES DE SUA MAJESTADE 138
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site