Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: Capítulo 2

Página 18
Enquanto atravessávamos o átrio, o telefone tocou, e fomos ouvintes involuntários do lado do professor Challenger do diálogo em curso. Digo «nós», mas ninguém num raio de cem metros teria deixado de ouvir o troar daquela voz portentosa, que reverberava por toda a casa. As respostas dele ficaram-me na cabeça.

- Sim, sim, claro, sou eu... Sim, certamente, o professor Challenger, o famoso professor, quem mais?.. É claro, todas as palavras, se não, não as teria escrito... Não ficaria surpreendido... Tudo aponta para isso... Dentro de um ou dois dias, no máximo... Bem, não posso evitar isso, pois não?.. Muito desagradável, sem' dúvida, mas acho que afectará pessoas mais importantes do que o senhor. Não vale a pena choramingar por isso... Não, não posso, de maneira nenhuma. O senhor tem de arriscar... Basta, senhor. Que disparate! Tenho algo mais importante para fazer do que escutar esse palavrório.

Desligou com brusquidão e levou-nos para o andar de cima, para um aposento grande e arejado que era o seu estúdio. Na grande secretária de mogno viam-se sete ou oito telegramas por abrir.

- Na verdade - disse ele, enquanto os juntava -, começo a pensar que pouparia dinheiro dos meus correspondentes se adoptasse um endereço telegráfico. Possivelmente, «Noé, Rotherfield» seria o mais apropriado.

Como sempre quando dizia uma piada obscura, inclinou-se contra a secretária e explodiu num paroxismo de riso, com as mãos tão trémulas que quase não conseguia abrir os envelopes.

- Noé! Noé! - gaguejou, com as faces muito vermelhas, enquanto Lorde John e eu sorríamos, compreensivos, e Summerlee, como uma cabra dispéptica, abanava a cabeça em sardónica desaprovação. Por fim, Challenger, ainda a resmungar e a explodir, começou a abrir os seus telegramas. Nós estávamos os três junto à janela saliente e dedicámo-nos a admirar a paisagem : magnífica.

Sem dúvida, valia a pena apreciá-la. A estrada, com as suas curvas suaves, trouxera-nos para uma altitude apreciável - duzentos e cinquenta metros, como descobrimos depois.

A casa de Challenger situava-se no cimo da colina, e do lado sul, onde se situava a janela do estúdio, avistava-se a vasta extensão do Weald para onde as curvas suaves das South Downs formavam um horizonte ondulante. Numa fenda das colinas, uma bruma de fumo marcava a posição de Lewes. Imediatamente a nossos pés estendia-se uma planície ondulante de urze, com as tiras compridas e muito verdes do campo de golfe de Crowborough, todo salpicado de jogadores. Um pouco para sul, através de uma clareira nos bosques, via-se uma secção da linha principal de Londres para Brighton.

<< Página Anterior

pág. 18 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Dia em que o Mundo Acabou
Páginas: 72
Página atual: 18

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 18
Capítulo 3 31
Capítulo 4 44
Capítulo 5 53
Capítulo 6 65
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site