Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: Capítulo 2

Página 19
Logo em primeiro plano, debaixo dos nossos próprios narizes, havia um pequeno pátio fechado, onde se encontrava o automóvel que nos trouxera da estação.

Uma exclamação de Challenger fez-nos virar. Ele tinha lido os seus telegramas e arrumara-os numa pequena pilha metódica em cima da secretária. O seu rosto grande e austero, pelo menos a parte que era visível por cima da barba emaranhada, continuava profundamente ruborizado, e parecia estar sob a influência de uma forte excitação.

- Bem, meus senhores - disse ele, no tom de voz que usaria se estivesse a dirigir-se a uma plateia -, esta é, de facto, uma reunião interessante, e ocorre em circunstâncias extraordinárias... e, devo até dizer, sem precedentes. Posso perguntar se observaram alguma coisa durante a viagem desde a cidade?

- A única coisa que observei - disse Summerlee, com um sorriso amargo -, foi que aqui o nosso amigo não melhorou os seus modos durante os anos que passaram. Lamento afirmar que tenho de me queixar seriamente da sua conduta no comboio, e não seria franco se não dissesse que deixou uma impressão muito desagradável na minha mente.

- Bem, bem, por vezes todos nós nos tornamos um pouco aborrecidos - disse Lorde John. - O jovem amigo não queria ofender ninguém. Afinal de contas, ele é um Internacional, por isso se demora meia hora para descrever um jogo de futebol tem mais direito a fazê-lo do que a maioria das pessoas.

- Meia hora para descrever um jogo! - exclamei eu, indignado. - Ora, foi o senhor que demorou meia hora com uma história maçadora sobre um búfalo. O professor Summerlee será minha testemunha.

- Dificilmente consigo dizer qual de vocês foi mais terrivelmente maçador - disse Summerlee. - Declaro-lhe, Challenger, que nunca mais quero ouvir falar de futebol ou búfalos enquanto viver.

- Hoje eu não proferi uma única palavra sobre futebol protestei eu.

Lorde John soltou um assobio estridente, e Summerlee abanou a cabeça tristemente.

- E de manhã tão cedo - disse ele. - É, de facto, deplorável. Enquanto eu ia sentado num silêncio triste mas pensativo... - Em silêncio! - exclamou Lorde John. - Ora, veio o caminho inteiro a fazer um espectáculo de imitações... mais parecia um gramo fone destrambelhado do que um homem.

Summerlee exaltou-se num protesto amargo.

- O senhor gosta de ser faceto, Lorde John - disse ele, com uma expressão azeda como vinagre.

- Ora, acabemos com tudo isto, é uma loucura - exclamou Lorde John. - Cada um de nós parece lembrar-se do que os outros fizeram e nenhum se lembra do que ele próprio fez. Vamos relembrar tudo desde o princípio. Entrámos para uma carruagem de primeira classe para fumadores, isso é certo, não é?

<< Página Anterior

pág. 19 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Dia em que o Mundo Acabou
Páginas: 72
Página atual: 19

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 18
Capítulo 3 31
Capítulo 4 44
Capítulo 5 53
Capítulo 6 65
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site