Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 12: Capítulo 12

Página 81

O corregedor acordara com o grande rebuliço que ia na casa, e perguntou à esposa, que ele supunha também desperta na câmara imediata, que bulha era aquela. Como ninguém lhe respondesse, sacudiu freneticamente a campainha, e berrou ao mesmo tempo, aterrado pela hipótese de incêndio na casa. Quando D. Rita acudiu, já ele estava enfiando os calções às avessas.

– Que estrondo é este? Quem é que grita? – exclamou Domingos Botelho.

– Quem grita mais é o senhor – respondeu D. Rita.

– Sou eu?! Mas quem é que chora?

– São suas filhas.

– E porquê? Diga numa palavra.

– Pois sim, direi: o Simão matou um homem.

– Em Coimbra?… E fazem tanta bulha por isso!

– Não foi em Coimbra, foi em Viseu – tornou D. Rita.

– A senhora manga comigo?! Pois o rapaz está em Coimbra, e mata em Viseu! Aí está um caso para que as Ordenações do Reino não providenciaram.

– Parece que brinca, Meneses! Seu filho matou na madrugada de hoje Baltasar Coutinho, sobrinho de Tadeu de Albuquerque. Domingos Botelho mudou inteiramente de aspecto.

– Foi preso? – perguntou o corregedor.

– Está em casa do juiz de fora.

– Mande-me chamar o meirinho-geral. Sabe como foi e porque foi essa morte?… Mande-me chamar o meirinho, sem demora.

– Porque não se veste o senhor, e vai a casa do juiz?

– Que vou eu fazer a casa do juiz?

– Saber de seu filho como isto foi.

– Eu não sou pai: sou corregedor. Não me incumbe a mim interrogá-lo. Senhora D. Rita, eu não quero ouvir choradeiras; diga às meninas que se calem, ou que vão chorar no quintal.

O meirinho, chamado, relatou miudamente o que sabia, e disse ter-se verificado que o amor à filha do Albuquerque fora causa daquele desastre.

Domingos Botelho, ouvida a história, disse ao meirinho:

– O juiz de fora que cumpra as leis. Se ele não for rigoroso, eu o obrigarei a sê-lo. Ausente o meirinho, disse D. Rita Preciosa ao marido:

– Que significa esse modo de falar de seu filho?

<< Página Anterior

pág. 81 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Amor de Perdição
Páginas: 145
Página atual: 81

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 3
Capítulo 3 10
Capítulo 4 16
Capítulo 5 23
Capítulo 6 29
Capítulo 7 36
Capítulo 8 45
Capítulo 9 55
Capítulo 10 64
Capítulo 11 70
Capítulo 12 81
Capítulo 13 87
Capítulo 14 94
Capítulo 15 101
Capítulo 16 107
Capítulo 17 113
Capítulo 18 119
Capítulo 19 123
Capítulo 20 128
Capítulo 21 133
Capítulo 22 139
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site