Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 1: Capítulo 1

Página 1

CAPITULO 1

A prisão

Conversa com Fräu Grübach mais tarde, com Fräulein Bürstner

Alguém deve ter difamado Joseph K., pois, numa linda manhã, foi preso sem ter cometido qualquer crime. A cozinheira da sua senhoria, que lhe levava sempre o pequeno-almoço às oito horas, não apareceu nessa ocasião. Nunca tal acontecera. K aguardou um pouco mais, deitado, observando da sua almofada a velhota da casa em frente, que parecia espreitá-lo com uma curiosidade invulgar. Então, irritado e com fome, tocou a campainha. Bateram imediatamente à porta e um homem que ele nunca vira antes em casa entrou no seu quarto. Era magro, mas bem constituído; vestia um faro preto justo ao corpo, com uma série de pregas, algibeiras, fivelas, botões e um cinto, tal como um turista, o que lhe dava um aspecto prático, embora ninguém pudesse adivinhar para que servia tudo aquilo. «Quem é o senhor?», indagou K., soerguendo-se. O homem ignorou a pergunta, como se o seu aspecto não necessitasse de explicação, e disse simplesmente: «O senhor tocou?» Magna devia trazer-me o pequeno-almoço», respondeu K., estudando o sujeito silenciou e cuidadosamente, tentando descobrir quem ele seria. O homem não se sujeitou por muito tempo a esta análise e, encaminhando-se para a porta, entreabriu-a, dizendo a alguém que devia estar mesmo por detrás dela: 1 1 e diz que a Ana lhe devia trazer o pequeno-almoço.» Em resposta, ouviu-se uma curta gargalhada vinda do quarto contíguo e que soou como se várias pessoas a tivessem soltado. Embora, do som, o estranho não tivesse podido descobrir mais do que já sabia, disse a K., como se lhe estivesse a transmitir uma ordem: «Esse pedido não pode ser satisfeito.» «Isso é novidade», gritou K, pulando da cama e vestindo rapidamente as calças. «Tenho de ver que espécie de gente está ali no quarto ao lado e que contas Frau Grubach me vai dar deste procedimento.» Imediatamente lhe ocorreu, porém, que não devia ter falado tão alto e que, ao fazê-lo, dava de certo modo ao estranho o direito de controlar os seus actos.

<< Sinopse

pág. 1 (Capítulo 1)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Processo
Páginas: 183
Página atual: 1

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 25
Capítulo 3 39
Capítulo 4 59
Capítulo 5 65
Capítulo 6 71
Capítulo 7 88
Capítulo 8 132
Capítulo 9 158
Capítulo 10 179
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site