Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: Capítulo 10

Página 179

CAPÍTULO X

O fim

Na véspera do trigésimo primeiro aniversario de K.—eram cerca das nove horas da noite, altura em que o silêncio enche as ruas—, dois homens dirigiram-se a sua casa. Pálidos e gordos, envergavam sobrecasacas e traziam chapéus altos, que eram aparentemente irremovíveis. Após uma troca de formalidades quanto à precedência na entrada da porta principal, repetiram a mesma cerimónia mais cuidadosamente em frente à porta de K. Sem que tivesse sido informado da sua visita, K encontrava-se sentado, também vestido de preto, numa cadeira de braços junto à porta, calçando lentamente um par de luvas novas, bem ajustadas aos dedos, e como o ar de quem espera convidados. Levantou-se imediatamente e examinou os visitantes com curiosidade. «É a mim que procuram?», perguntou ele. Os cavalheiros fizeram uma vénia, cada um deles apontando para o outro com a mão que segurava o chapéu. K admitiu para consigo que estivera à espera de visitas diferentes. Dirigiu-se à janela e deu mais uma olhadela à rua escura. Quase todas as janelas do lado oposto da rua se encontravam também às escuras; em muitas delas, as cortinas estavam já corridas. Numa janela iluminada, algumas crianças brincavam atrás de grades, tentando chegar com as mãos umas às outras, se bem que não conseguissem mover-se do sítio em que se encontravam. Velhos actores de décima categoria, foi o que me enviaram, disse K. para consigo, olhando novamente em torno para confirmar a impressão. Querem acabar comigo economicamente. Voltou-se abruptamente para os homens e perguntou:
«Em que teatro é que estão a representar?» «Teatro?», disse um deles, com os cantos da boca contraídos, olhando, como que a pedir conselho, para o outro, que actuava como se fosse um mudo esforçando-se por vencer uma teimosa incapacidade. Eles não estão preparados para responder a perguntas, murmurou K. para consigo próprio, dirigindo-se ao sítio onde estava o seu chapéu.

<< Página Anterior

pág. 179 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Processo
Páginas: 183
Página atual: 179

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 25
Capítulo 3 39
Capítulo 4 59
Capítulo 5 65
Capítulo 6 71
Capítulo 7 88
Capítulo 8 132
Capítulo 9 158
Capítulo 10 179
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site