Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 3: Capítulo 3

Página 23

A fera primordial e dominante vivia em Buck, e sob as condições cruéis da vida nas piscas ia-se desenvolvendo mais e mais. Esse desenvolvimento, porém, prova-se secretamente. A sua nova astúcia ensinava-o a iludir e dominar-se. Andava, além disso, ocupado de mais com a sua adaptação a nova vida para se sentir à vontade, e não só não provocava conflitos como os evitava sempre que podia Uma certa deliberação caracterizava o seu modo de proceder. Não era dado a rompante nem a precipitações; e no ódio profundo entre ele e Spitz não traía qualquer impaciência, ignorando todas as provocações do outro.

Por seu lado, talvez porque pressentia em Buck um rival perigoso, Spitz nunca perdia ocasião de lhe mostrar os dentes. Chegava a ponto de se desviar do seu caminho para ir provocar Buck, esforçando-se constantemente por iniciar a luta que só terminaria com a morte de um deles. Esta podia ter ocorrido logo no princípio da viagem, não fosse dar-se um incidente desusado. No fim desse dia armaram um acampamento miserável e desabriga na margem do lago Le Barge. A neve que caia, um vento que cortava corno punhal em brasa e a escuridão tinham-nos obrigado a procurar, às apalpadelas, um local para acampar. Atrás deles erguia-se, perpendicular, um paredão rochoso, e Perrault e François viram-se forçados a acender a fogueira e estender as suas enxergas sobre o gelo do próprio lago. A tenda ficara para trás, em Dyea, de modo a poderem viajar mais leves. Uns bocados de lenha desanichados aqui e ali deram para uma fogueira que, afundando-se no gelo derretido, os deixou às escuras por altura da ceia.

Buck cavou a sua toca mesmo junto à rocha protectora. Era tão confortável e quentinha que foi com relutância que a deixou quando François começou a distribuir o peixe que momentos antes estivera a degelar ao calor da fogueira. Porém, quando Buck comeu a sua ração e retomou o caminho da toca, foi encontrá-la já ocupada. Uma rosnadela de aviso indicou-lhe que o intruso era Spitz. Até aqui, Buck evitara qualquer sarilho com o seu inimigo, mas isto era de mais. A fera rugiu dentro de si. Saltou sobre Spitz com uma fúria que a ambos surpreendeu, mas a Spitz particularmente, pois toda a sua experiência com Buck nada mais lhe adiantara que não passar o seu rival de um cão invulgarmente tímido, que apenas lograva subsistir graças ao seu grande peso e estatura.

<< Página Anterior

pág. 23 (Capítulo 3)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O apelo da floresta
Páginas: 99
Página atual: 23

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 6 67
Capítulo 7 82
Capítulo 1 1
Capítulo 2 13
Capítulo 3 23
Capítulo 4 39
Capítulo 5 50
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site