Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: Capítulo 5

Página 50

Trinta dias após ter deixado Dawson, a mala postal de Sal Water, com Buck e os companheiros à cabeça, entrava em Skaguay Vinham num estado lastimoso, esgotados e derreados. Os sessenta e cinco quilos de peso de Buck tinham diminuído para cinquenta e três. Os companheiros, embora de menor estatura, haviam perdido relativamente mais peso do que ele. Pike, o ranhoso, que levava a vida a fingir e mais de uma vez simulara com êxito uma perna partida, coxeava agora a valer. Sol-leks também coxeava e Dub tinha uma omoplata deslocada.

Tinham todos as paras traseiras terrivelmente doridas. Vazios de toda a energia, as paras calam pesadamente sobre os trilhos, fazendo vibrar os seus corpos e duplicando a fadiga de um dia de viagem. Nada havia de especial neles, a não ser um cansaço mortal. Não se tratava aqui da exaustação que resulta de um esforço breve e excessivo, da qual se recupera numas tantas horas, mas de uma exaustação que advém do escoamento lento e prolongado das forças ao longo de meses de árduo trabalho. Eles não possuíam qualquer poder de recuperação, nem reservas de forcas a que recorrer. Tinham gasto tudo, até à última. Todos os músculos, fibras e células estavam cansados, mortalmente cansados. E havia razão para isso. Em menos de cinco meses tinham viajado duas mil e quinhentas milhas, das quais nas ultimas mil e oitocentos apenas tiveram cinco dias de descanso Quando entraram em Skaguay, mal se tinham nas pernas. Era com custo que conservavam os tirantes esticados e nos declive! por pouco não eram apanhados pelo trenó.

— Vamos, pobres paras encorajava o condutor quando, num passo incerto, desciam a rua principal de Skaguay. — Estamos já no fim. Depois vamos todos descansar. Hem? Um descanse grande como tudo.

Os condutores, confiadamente, esperavam repousar o seu bocado. Eles próprios tinham, à sua conta, coberto mil e duzentas milhas com dois dias apenas de descanso e, com toda a razão e segundo a justiça mais elementar, mereciam agora uns boné dias de folga.

<< Página Anterior

pág. 50 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O apelo da floresta
Páginas: 99
Página atual: 50

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 6 67
Capítulo 7 82
Capítulo 1 1
Capítulo 2 13
Capítulo 3 23
Capítulo 4 39
Capítulo 5 50
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site