Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: SERVIDORES DE SUA MAJESTADE

Página 139
Depois continuei a correr, porque não sabia quantos camelos se teriam soltado, e daí a pouco estava fora das vistas do acampamento, sulcando a lama no trajecto.

Por fim caí sobre a conte ira de uma peça, e fiquei assim a saber que estava perto das linhas de artilharia, onde as armas se arrumavam de noite. Como não tinha vontade nenhuma de cirandar no escuro e no meio de chuviscos, lancei o impermeável sobre a boca de uma peça e fiz uma espécie de wigwam, com dois ou três escovilhões que encontrei, e deitei-me sobre o reparo de outra peça, perguntando a mim mesmo para onde teria ido a Raposinha e onde me encontraria eu.

Exactamente quando me preparava para dormir ouvi o tilintar de arreios e um grunhido, e uma das mulas passou por mim, sacudindo as orelhas molhadas. Pertencia a uma bateria de peças desmontáveis, pois ouvi o matraquear das correias, argolas, cadeias e coisas várias do chumaço da sela. Os canhões desmontáveis são pequeninas peças feitas de duas partes, que se aparafusam uma à outra quando chega a ocasião de servirem. São levadas para as montanhas, para toda a parte onde a mula possa abrir caminho, e são muito próprias para combater em terreno rochoso.

Atrás da mula vinha um camelo, com as grandes patas macias enterrando-se e escorregando na lama, virando o pescoço para um lado e para o outro, como uma galinha perdida. Felizmente, eu sabia o suficiente da língua dos brutos - não a das feras, mas a das bestas do acampamento, naturalmente -, que aprendera com os indígenas, para saber o que ele estava a dizer.

Deve ter sido aquele que se enfiara na minha tenda', pois bradou para a mula:

- Que hei-de fazer? Para onde hei-de ir? Bati-me com uma coisa branca que se agitava e pegou num pau e deu-me no pescoço.

<< Página Anterior

pág. 139 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Livro da Selva
Páginas: 158
Página atual: 139

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
OS IRMÃOS DE MÁUGLI 1
A CAÇADA DE CÁ 24
TIGRE! TIGRE! 53
A FOCA BRANCA 74
RÍQUI -TÍQUI -TÁVI 97
TUMAI DOS ELEFANTES 115
SERVIDORES DE SUA MAJESTADE 138
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site