Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 3: O PARASITA

Página 31
O PARASITA
(The parasit)

2 de Março. Cá estamos agora em plena Primavera. A grande nogueira que se ergue em frente da janela do meu laboratório está toda coberta de grandes rebentos viscosos e volumosos, alguns dos quais, já dilacerados, deixam passar pequenas borlas verdes.

Quando nos passeamos pelas veredas, sentimos à nossa volta o trabalho das opulentas e silenciosas forças da natureza.

A terra húmida tem um odor a frutos sumarentos. Ramagens verdes espreitam de todos os lados. Os pequenos ramos mostram-se enrijecidos pela seiva que os incha e o ar húmido e pesado da Inglaterra acha-se penetrado por um vago perfume de resina.

Sobre as sebes, botões; por baixo das sebes, cordeiros.

Activa-se em todo o lado o trabalho de reprodução.

Vejo isto muito bem no exterior; sinto-o no interior. Também nós temos a nossa Primavera quando as pequenas arteríolas se dilatam, a linfa corre prestes a extravasar, as glândulas trabalham mais activamente para moer, para filtrar.

Todos os anos, a natureza repara por completo o mecanismo.

Neste exacto momento, sinto fermentar-me o sangue, e seria capaz de dançar como um mosquito no raio refrescante que o sol poente envia pela minha janela.

E fá-lo-ia, por certo, se não temesse que Charles Sadler subisse a escada a quatro e quatro para ver o que se passava.

Depois, devo recordar-me de que sou o professor Gilroy. Um velho professor pode permitir-se ser natural, mas quando a fortuna deu uma das primeiras cátedras da Universidade a um homem de quarenta e três anos, este deve fazer o melhor possível para manter o emprego.

Que rapagão este Wilson!

Se eu pudesse lançar na fisiologia tanto entusiasmo como ele emprega na psicologia, tornar-me-ia pelo menos um Claude Bernard.

<< Página Anterior

pág. 31 (Capítulo 3)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Histórias Extraordinárias
Páginas: 136
Página atual: 31

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
MÃO ESCURA 1
O CASO DE LADY SANNOX 19
O PARASITA 31
O GATO DO BRASIL 89
O FUNIL DE CABEDAL 113
O QUARTO DO PESADELO 127
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site