Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 11: 11 - O Grande Tesouro de Agra

Página 99
Capítulo XI - O Grande Tesouro de Agra

O nosso Prisioneiro sentou-se na cabina - em frente do cofre de ferro pelo qual tanto fizera e esperara antes de conseguir obtê-lo. Era um tipo de olhar arrogante, tostado pelo sol, com um rosto cor de mogno coberto de rugas, que revelava uma vida dura passada ao ar livre. O queixo proeminente, sob a barba, era sinal de um homem persistente nos seus propósitos. Devia ter cerca de cinquenta anos, pois o cabelo preto e encaracolado estava coberto de cãs. O rosto, quando sereno, não era desagradável, embora as espessas sobrancelhas e o queixo agressivo lhe dessem, como depois constatei, uma expressão terrível quando, irado. Estava agora com as mãos algemadas sobre o colo, cabisbaixo, fitando de olhos penetrantes e a piscar o cofre que fora a causa das suas más acções. Pareceu-me haver mais pena que raiva na sua atitude rígida e contida. Chegou a lançar-me um olhar em que notei um certo ar de humor.

- Bem Jonathan Small - disse Holmes, acendendo um charuto -, lamento que isto tenha acabado assim.

- Também eu, senhor - respondeu o outro. - Mas acho que não mereço a forca. Dou-lhe a minha palavra que nunca levantei um dedo contra o Sr. Sholto. Foi aquele anão dos diabos, Tonga, que lhe atirou um dos seus malditos dardos. Não tive culpa. Fiquei tão desgostoso como se ele fosse da minha família. Espanquei aquele demónio com uma corda por causa disso, mas a coisa estava feita, e eu não podia desfazê-la.

- Fume um charuto - disse Holmes. - E é melhor beber um golo da minha garrafa, pois está todo encharcado. Sendo esse seu amigo preto um homem tão pequeno e com pouca força, como esperava que ele dominasse o Sr. Sholto enquanto você subia pela corda?

- Parece que o senhor sabe tanto sobre o assunto como se tivesse estado lá.

<< Página Anterior

pág. 99 (Capítulo 11)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Sinal dos Quatro
Páginas: 133
Página atual: 99

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
1 - A Ciência da Dedução 1
2 - A Exposição do Caso 11
3 - À Procura de uma Solução 17
4 - A História do Homem Calvo 23
5 - A Tragédia de Pondicherry Lodge 36
6 - Sherlock Holmes Faz Uma Demonstração 44
7 - O Episódio do Barril 54
8 - O Bando de Baker Street 67
9 - Uma Quebra na Sequência 78
10 - O Fim do Homem da Ilha 89
11 - O Grande Tesouro de Agra 99
12 - A Estranha História de Jonathan Small 106
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site