Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: Capítulo 10

Página 86

No momento em que Lily introduzia um senhor na pequena copa e o ajudava a tirar o sobretudo, soou de novo a campainha. A rapariga apressou-se a abrir a porta. Ainda era um bem não ser obrigada a atender as senhoras!.. Miss Kate e Miss Júlia tinham pensado nisso e haviam convertido a casa de banho do andar superior em quarto de toilette.

As duas, falando e rindo, vieram correndo uma atrás da outra até à escada, indagando quem tinha entrado.

O baile anual das Morkan era um «caso muito sério». Comparecia toda a gente: membros da família, velhos amigos, os componentes do grupo coral de Júlia, todos os alunos de Kate, já suficientemente crescidos para assistir a festas, e ainda alguns alunos de Mary Jane. O baile nunca fora considerado maçador. Mantinha invariavelmente o mesmo estilo desde a ocasião em que Julia e Kate, após a morte de seu irmão Pat, haviam deixado a casa em Stoney Batten, tornando conta da única sobrinha, Mary Jane. Passaram a viver na escura e frágil casa de Usher's Island que haviam alugado a Mr. Fulham, negociante de cereais. Isso já se passara há uns trinta anos. Mary Jane, que era então urna garota de vestidos curtos, tornara-se o principal amparo da casa. Passara pelo Conservatório e todos os anos os seus alunos davam um concerto na sala grande do Ancient Concert Rooms. A maior parte dos alunos pertencia às melhores famílias de Kingstown e Dalkey. Mesmo velhas, as tias também ajudavam. Julia, apesar de estar muito branca, ainda era soprano do Adam and Eves e Kate, sendo muito fraca para poder sair, dava lições a principiantes no velho piano do quarto do fundo. Lily fazia o serviço de todas. Apesar de viverem modestamente, acreditavam na boa alimentação... comendo tudo do melhor. Lily entendia-se bem com as suas três patroas, que eram de grandes espalhafatos, mas não suportavam respostas tortas.

Na verdade, tinham razão para estarem excitadas numa noite daquelas. Já passava muito das dez horas e ainda não havia sinal de Gabriel nem de sua mulher. Para mais, estavam com muito medo que Freddy Mallins aparecesse desaparafusado. Não queriam, de modo nenhum, que os alunos de Jane o vissem naquele estado pois, quando ficava assim, tornava-se muito difícil de manejar. Freddy Mallins chegava sempre tarde, mas ignoravam o que teria acontecido a Gabriel: e por isso, de dois em dois minutos, vinham à escada, perguntar a Lily se Gabriel ou Freddy já tinham chegado.

<< Página Anterior

pág. 86 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Gente de Dublin
Páginas: 117
Página atual: 86

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 9
Capítulo 3 30
Capítulo 4 36
Capítulo 5 52
Capítulo 6 58
Capítulo 7 63
Capítulo 8 69
Capítulo 9 78
Capítulo 10 86
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site