Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: Capítulo 4

Página 36

Dois sujeitos que saíam do lavabo tentaram erguê-lo, mas o homem estava completamente imóvel. Ficara enrolado no fundo das escadas, no sítio onde tinha caído. Conseguiram virá-lo. O chapéu rebolara a distância e o fato ficara sujo da imundície e do lodo do chão. Os olhos estavam fechados e respirava com dificuldade, deixando escapar uns grunhidos. Um fio de sangue corria-lhe do canto da boca.

Aqueles dois sujeitos e um dos criados levaram-no para cima e estenderam-no no chão do bar. Em dois minutos ficou rodeado por um círculo de homens. O gerente perguntou a todos se sabiam quem ele era e quem o acompanhava. Ninguém o conhecia, mas um dos criados disse que servira àquele senhor um rum pequeno.

- Estava sozinho? - Perguntou o gerente.

- Não, senhor. Estavam mais dois sujeitos com ele.

- E onde estão?

Ninguém sabia; uma voz disse:

- Deixem-no respirar. Está desmaiado. O círculo dos observadores distendeu-se, para automaticamente se apertar de novo. Tinha-se formado uma medalha preta de sangue no chão, junto à cabeça do homem. O gerente, alarmado com a palidez do rosto, mandou chamar um polícia.

Abriram-lhe o colarinho e alargaram-lhe o laço da gravata. O homem entreabriu os olhos instantaneamente. Um dos sujeitos, que o ajudara a levantar, segurava nas mãos um chapéu de seda amolgado.

O gerente continuava a perguntar se alguém sabia quem era aquele homem ou para onde tinham ido os seus amigos. Abriu-se a porta do bar e entrou um avantajado oficial da polícia. Do lado de fora estava uma multidão que espreitava pelos vidros. O gerente começou logo a contar o que sabia. O polícia, um jovem de feições fortes, ouviu. Moveu a cabeça vagarosamente, da esquerda para a direita, e do gerente para o homem deitado no chão, como se temesse ser vítima de um engano. Depois, tirou fora a luva, sacou um pequeno livro de bolso, e preparou-se para redigir.

Perguntou com manifesta suspeita:

- Quem é este homem? Como se chama e qual é a morada?

Um rapaz com fato de ciclista abriu caminho pelo ajuntamento. Ajoelhou prontamente ao pé do homem e pediu água. O gerente também se ajoelhou para ajudar. O rapaz lavou o sangue da boca do ferido e, depois, pediu brandy. O gerente repetiu a ordem com voz autoritária, até que um criado veio a correr com o copo. Deitaram-lhe o brandy pela garganta abaixo.

<< Página Anterior

pág. 36 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Gente de Dublin
Páginas: 117
Página atual: 36

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 9
Capítulo 3 30
Capítulo 4 36
Capítulo 5 52
Capítulo 6 58
Capítulo 7 63
Capítulo 8 69
Capítulo 9 78
Capítulo 10 86
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site