Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: A FOCA BRANCA

Página 75

Trazia o corpo todo coberto de cicatrizes, sinais de ferozes combates, mas estava sempre pronto para mais um. Inclinava a cabeça para o lado como se tivesse medo de olhar o inimigo de frente; depois disparava-a como um raio, e, quando tinha os dentes bem cravados no cachaço da outra foca, esta dificilmente se havia de safar porque Rompão Marinho lho não facilitava.

Todavia, Rompão Marinho nunca perseguia uma foca vencida, pois isso era contra o regulamento da praia. Apenas queria espaço junto ao mar para as suas crias, mas, como havia quarenta ou cinquenta mil outras focas à cata do mesmo todas as Primaveras, os silvos, mugidos, rugidos e roncos da praia eram coisa assustadora.

De uma colinazinha chamada cabeço de Hutchinson podiam-se avistar três milhas e meia de terreno coberto de focas em luta, e na ressaca via-se toda salpicada de cabeças de foca dirigindo-se apressadamente para terra a entrar também na refrega. Combatiam na rebentação, lutavam na areia e batiam-se nas rochas de basalto polido dos viveiros, pois eram tão estúpidas e bulhentas como os homens. As fêmeas nunca vinham para a ilha senão em fins de Maio ou princípios de Junho, porque não tinham vontade de ser desfeitas em bocados, e as focas novas de dois, três e quatro anos, que ainda não tinham começado a governar casa, afastavam-se cerca de meia milha para o interior, pelo meio das fileiras dos combatentes, retouçavam sobre as dunas em manadas e em legiões e rapavam toda a verdura que ali crescia. Chamavam-lhes os holuchiqui [os solteiros] e havia talvez duzentos ou trezentos mil em Novastosná.

Rompão Marinho acabava de travar o seu quadragésimo quinto combate numa Primavera, quando Matcá, sua mulher, macia, polida, de olhos meigos, saiu do mar e ele filou-a pelo gasnete e atirou-a para a sua reserva, dizendo asperamente:

- Atrasada como sempre.

<< Página Anterior

pág. 75 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Livro da Selva
Páginas: 158
Página atual: 75

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
OS IRMÃOS DE MÁUGLI 1
A CAÇADA DE CÁ 24
TIGRE! TIGRE! 53
A FOCA BRANCA 74
RÍQUI -TÍQUI -TÁVI 97
TUMAI DOS ELEFANTES 115
SERVIDORES DE SUA MAJESTADE 138
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site