Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: CANTO SEXTO

Página 99
CANTO SEXTO

Não tinha em tanto os feitos gloriosos

De Aquiles, Alexandre na peleja,

Quanto de quem o canta os numerosos

Versos; isso só louva, isso deseja,

Lusíadas

I

O ceptro de Manuel, nas mãos já débeis

De Joane começado a desdourar-se

Do esmalte das vitórias e triunfos

Com que tanta virtude o adereçara,

O ceptro que, nas mãos doutro Joane

Que ensinou a ser reis os reis do mundo,

Fora vara de lei e de justiça,

Fiel de liberdade bem pesada

Na balança da pública ventura,

Ora na dextra de inexperto jovem

Vergado a maus conselhos, vacilante

Por meneio indiscreto, mal dirige

A máquina do estado, que parece

Mover-se ainda pelo antigo impulso

De melhor regedor. O astro de Lísia

Do zénite de sua glória descrevia

Curva afrontosa a miserando ocaso,

Que de Alcácer nas tórridas areias

Erros, crimes, traições lhe estão cavando.

<< Página Anterior

pág. 99 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Camões
Páginas: 177
Página atual: 99

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CANTO PRIMEIRO 1
CANTO SEGUNDO 28
CANTO TERCEIRO 42
CANTO QUARTO 65
CANTO QUINTO 86
CANTO SEXTO 99
CANTO SÉTIMO 111
CANTO OITAVO 131
CANTO NONO 146
CANTO DÉCIMO 161
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site