Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: CANTO QUINTO

Página 86
CANTO QUINTO

Repousa lá no céu eternamente

E viva eu cá na terra sempre triste.

Camões, Sonetos

I

«Correi sobre estas flores desbotadas,

Lágrimas tristes minhas, orvalhai-as,

Que a aridez do sepulcro as tem queimado.

Rosa d’amor, rosa purpúrea e bela,

Quem entre os goivos te esfolhou da campa?

II

«O viço de meus anos se há murchado

Nas fadigas, no ardor sevo de Marte;

Estranhas praias, ignoradas gentes,

Bárbaros cultos vi; gemi n’angústia,

Penei ao desamparo, em soledade;

Vaguei sozinho à míngua e sem conforto

Pelos palmares onde ruge o tigre:

Tudo sofri no alento duma esp’rança

Que, no instante de vê-la me há fugido...

Rosa d’amor, rosa purpúrea e bela,

Quem entre os goivos te esfolhou da campa?

III

«Longe, por esse azul dos vastos mares,

Na soidão melancólica das águas

Ouvi gemer a lamentosa Alcíone,

E com ela gemeu minha saudade.

<< Página Anterior

pág. 86 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Camões
Páginas: 177
Página atual: 86

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CANTO PRIMEIRO 1
CANTO SEGUNDO 28
CANTO TERCEIRO 42
CANTO QUARTO 65
CANTO QUINTO 86
CANTO SEXTO 99
CANTO SÉTIMO 111
CANTO OITAVO 131
CANTO NONO 146
CANTO DÉCIMO 161
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site