Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: CANTO OITAVO

Página 131
CANTO OITAVO

Em perigos, e guerras esforçados,

Mais do que prometia a força humana

Entre gente remota edificaram

Novo reino, que tanto sublimaram

Lusíadas

I

Aqui chegava o canto: houve crestadas,

Guerreiras faces que enrugou Mavorte,

E onde aflição, nem dor, nem transe d’alma

Jamais colheram lágrimas, houve delas

Mal enxutas do pranto involuntário

Que ais d’amor, que entusiasmo de virtude,

Patriotismo ou glória destilaram

De olhos torvos por centos de batalhas.

Mas d’alma ao rosto vai canal aberto

Que só entopem vícios, ou fingido

Orgulho do homem vão. Porque te escondes

Na toga consular o vulto austero,

Libertador de Roma? Já suspensas

As segures estão... Tão firme peito

Que faz, que não sustenta o rosto ao golpe?

Roma é salva.

<< Página Anterior

pág. 131 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Camões
Páginas: 177
Página atual: 131

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CANTO PRIMEIRO 1
CANTO SEGUNDO 28
CANTO TERCEIRO 42
CANTO QUARTO 65
CANTO QUINTO 86
CANTO SEXTO 99
CANTO SÉTIMO 111
CANTO OITAVO 131
CANTO NONO 146
CANTO DÉCIMO 161
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site