Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: CANTO SEGUNDO

Página 28
CANTO SEGUNDO

Assim como a bonina, que cortada

Antes do tempo foi cândida e bela,

Sendo das mãos lascivas maltratada

Da menina que a trouxe na capela,

O cheiro traz perdido, a cor murchada,

Tal está morta a pálida donzela,

Secas do rosto as rosas, e perdida

A branca e viva cor coa doce vida

Lusíadas

I

Que sons descompassados troa o bronze

Nas torres do mosteiro? Que ais carpidos,

Que agudos uivos desgrenhadas gritam

Essas mulheres pálidas? Que fúnebres

Alas são essas de homens todos luto,

De escuro vaso e longo dó vestidos?

Que hinos de morte roucos murmurando

Vão esses cabisbaixos sacerdotes?

Que pompa é essa? Um ataúde a fecha.

Orgulho do homem, dás o arranco extremo

Na vaidade da campa. Que grandezas,

Que distinções

<< Página Anterior

pág. 28 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Camões
Páginas: 177
Página atual: 28

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CANTO PRIMEIRO 1
CANTO SEGUNDO 28
CANTO TERCEIRO 42
CANTO QUARTO 65
CANTO QUINTO 86
CANTO SEXTO 99
CANTO SÉTIMO 111
CANTO OITAVO 131
CANTO NONO 146
CANTO DÉCIMO 161
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site