Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: CANTO QUARTO

Página 65
CANTO QUARTO

Já a vista pouco e pouco se desterra

Daqueles pátrios montes que ficavam;

........................................................................

Ficava-nos também na amada terra

O coração, que as mágoas lá deixavam

E já, depois que toda se escondeu.

Não vimos mais enfim que mar, e céu.

Lusíadas

I

- «Quem não teme ir de encontro a seu destino,

E provar-se homem... nas desertas rocas

Do castelo mourisco, sobre a serra

Da Lua, achará prémio, o maior prémio!

E castigo também de sua audácia.

Amanhã no expirar da luz.» - A carta

Mais não dizia. - «Qual estranho enigma!

Prémio, castigo a mim!... A mim! Duvidam

Se tenho coração!... Exigem provas!

Quem? Para quê... Irei? Porque não?... Vamos.

Espera-me talvez a hora querida

Da vingança.

<< Página Anterior

pág. 65 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Camões
Páginas: 177
Página atual: 65

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CANTO PRIMEIRO 1
CANTO SEGUNDO 28
CANTO TERCEIRO 42
CANTO QUARTO 65
CANTO QUINTO 86
CANTO SEXTO 99
CANTO SÉTIMO 111
CANTO OITAVO 131
CANTO NONO 146
CANTO DÉCIMO 161
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site