Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: Capítulo 2

Página 29
o choro era cada vez mais convulso. Olhou para o rosto da criança, muito contraído, e começou a ficar alarmado. Contou sete soluços seguidos e apertou, cheio de susto, o filho contra o peito. Se ele morresse!...

A porta abriu-se de repente e uma mulher entrou a correr.

- Que foi? Que foi? - gritou ela.

A criança, quando ouviu a voz da mãe, entrou num paroxismo de soluços.

- Não é nada, Annie... não é nada... Ele começou a chorar...

- Que lhe fizeste? - gritou a mulher, olhando-o severamente no rosto.

O pequeno Chandler aguentou por um momento o olhar, e o coração encolheu-se-lhe, ao ver o ódio que os olhos dela exprimiam. E gaguejou:

- Não foi nada... ele... ele começou a chorar... eu não pude fazer nada...

Annie, deixando de lhe prestar atenção, iniciou um passeio de um lado para o outro, com a criança apertada nos braços, murmurando:

- Meu pequenino!... Meu querido!... Como foi que te assustaste, amor? Vamos, filho! Querido cordeirinho da mamã, não chores mais!...

O pequeno Chandler sentiu a vergonha subir-lhe às faces, e procurou a obscuridade. Deixou-se ficar escutando, enquanto o choro da criança diminuía de intensidade; nos seus olhos nasceram, então, lágrimas de arrependimento.

<< Página Anterior

pág. 29 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Gente de Dublin
Páginas: 117
Página atual: 29

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 9
Capítulo 3 30
Capítulo 4 36
Capítulo 5 52
Capítulo 6 58
Capítulo 7 63
Capítulo 8 69
Capítulo 9 78
Capítulo 10 86
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site