Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: Capítulo 6

Página 62
!...

- Cartas! Cartas!

Limparam a mesa. Villona voltou para o piano e tocou música saltitante. Os outros rapazes iam jogando jogos sobre jogos. Beberam à saúde da rainha de copas e da rainha de ouros. O jogo subiu altíssimo e o dinheiro começou a correr abundantemente. Jimmy não sabia bem quem estava a ganhar, mas sabia que estava a perder. A culpa era sua, porque muitas vezes confundia as cartas; os outros é que calculavam por ele. Um grupo levado do diabo, divertido. Jimmy, porém, desejaria que parassem; já se estava a fazer tarde. Alguém ergueu um brinde ao iate - «A Bela de Newport» -, e alguém propôs um grande jogo para final.

O piano silenciara. Villona devia ter ido para o deck. Era um jogo terrível. Quase no fim, pararam e beberam pela felicidade. Jimmy percebeu que o jogo estava entre Routh e Ségouin. Que excitação!... Jimmy também estava transtornado; perderia, certamente Ao certo, quanto apostara? Os homens levantaram-se, para jogar as últimas cartadas. Falavam e gesticulavam. Routh ganhou. A cabina estremeceu com o barulho que os rapazes fizeram. As cartas foram apanhadas da mesa. Começaram a fazer as contas. Farley e Jimmy eram os que perdiam mais.

Jimmy sabia que, na manhã seguinte, lastimaria a noitada, mas naquela ocasião estava contente, muito contente. Passou os cotovelos sobre a mesa e encostou a cabeça às mãos, contando as pulsações nas têmporas. A porta da cabina abriu-se, e apareceu o húngaro, banhado por uma claridade acinzentada.

- O nascer do dia, meus senhores!...

<< Página Anterior

pág. 62 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Gente de Dublin
Páginas: 117
Página atual: 62

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 9
Capítulo 3 30
Capítulo 4 36
Capítulo 5 52
Capítulo 6 58
Capítulo 7 63
Capítulo 8 69
Capítulo 9 78
Capítulo 10 86
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site