Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: Capítulo 8

Página 70
Mr. Alleyne começara a remexer as folhas, procurando qualquer coisa. Apercebendo-se repentinamente da presença do empregado, levantou a cabeça e disse:

- Com que então fica aí todo o dia? Palavra de honra, Farrington, você é incorrigível!...

- Estava à espera de ver se...

- Bem, não precisa de esperar para ver... Vá para baixo e trabalhe!

O homem dirigiu-se pesadamente para a porta. Enquanto saía, ainda ouviu a voz de Mr. Alleyne gritando que se o contrato não estivesse copiado à tarde, falaria no caso a Mr. Crosbie.

Farrington voltou para a sua secretária e contou as folhas que estavam por copiar. Agarrou na caneta, mergulhou-a no tinteiro, mas continuou a olhar estupidamente para as últimas palavras que escrevera: Em caso algum poderá o referido Bernard Bodley... A tarde caía e dentro em breve os bicos de gás seriam acesos; então poderia escrever. Sentiu necessidade de matar a sede que lhe queimava a garganta. Levantou-se e, atravessando novamente o balcão, dirigiu-se para a porta. Quando ia a sair, o chefe da secção fitou-o interrogativamente.

- Vou ali, Mr. Schelley - disse ele, indicando com o dedo o suposto objectivo da jornada.

O chefe de secção olhou para o cabide e vendo que estava tudo em ordem, nada redarguiu. Logo que Farrington se encon- trou no corredor, tirou da algibeira um boné, que enfiou na cabeça, e desceu as escadas a correr. Assim que se encontrou na rua, caminhou furtivamente pelo lado interior do passeio, até à esquina, e aí desapareceu numa porta. Agora achava-se a salvo, na obscuridade da loja de O'Neill. No bar gritou:

- Vamos lá, Pat, venha daí uma boa pinga...

O homem trouxe-lhe uma caneca de cerveja. Farrington bebeu de um trago, deitou uma moeda para cima do balcão e retirou-se tão furtivamente como havia entrado.

As sombras, acompanhadas por espesso nevoeiro, desciam sobre aquele entardecer de Fevereiro, e as lâmpadas da Rua Eustace já haviam sido acesas. O homem foi caminhando rente às paredes, até atingir a entrada do escritório, imaginando como seria possível terminar a cópia a tempo. Na escada, foi envolvido por uma onda de perfume penetrante. Evidentemente, Miss Delacour chegara durante a sua ausência. Meteu o boné no bolso e penetrou no escritório, afectando um ar de completa inocência.

- Mr. Alleyne anda à sua procura! - preveniu o chefe, severamente. - Onde é que você esteve?

<< Página Anterior

pág. 70 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Gente de Dublin
Páginas: 117
Página atual: 70

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 9
Capítulo 3 30
Capítulo 4 36
Capítulo 5 52
Capítulo 6 58
Capítulo 7 63
Capítulo 8 69
Capítulo 9 78
Capítulo 10 86
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site