Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: O ESPELHO DE PRATA
(The silver mirror)

Página 151
O ESPELHO DE PRATA
(The silver mirror)

3 de Janeiro. Este caso das contas de White & Wotherspoon promete-me um labor formidável. Vinte grossos livros de registos a descascar. E sem maneira de associar-me a alguém. É a primeira vez que me entregam um caso desta importância: a mim compete mostrar-me digno de tal confiança. Mas tenho de arranjar-me de maneira que os homens da lei tenham as minhas conclusões muito antes do processo. Johnson dizia esta manhã que, lá para 20 do mês, eu devia ter inscrito o meu último algarismo.' Lá chegarei se o esforço não exceder o que podem fornecer o cérebro e os nervos de um homem. Isto pressupõe duas sessões quotidianas, uma das dez da manhã às cinco da tarde, a outra das oito da noite a cerca da uma da manhã. Uma vida de contabilista tem os seus dramas: quando, na paz das primeiras horas, quando tudo repousa, procuro, de coluna em coluna, algarismos cuja ausência verificada fará de um respeitável magistrado um vulgar malfeitor, penso que afinal existem ofícios mais prosaicos.

Foi na segunda-feira que dei com a lista do primeiro desvio. Nunca um caçador teve um arrepio mais agradável quando levantou o rasto da sua caça. Mas considero estes vinte livros de registos, e penso na selva em que vou ter de lançar a minha antes de abatê-la. Rude trabalho, ao mesmo tempo que desporto raro. Vi uma vez o meu personagem num jantar da City. O seu rosto intumescido e vermelho reluzia por cima de um guardanapo branco. Fitava o homenzinho pálido na ponta da mesa. Teria ficado pálido como eu, se tivesse previsto a trabalheira que me daria um dia.

6 de Janeiro. Só faltavam os médicos que nos prescrevem o repouso quando isso está fora de questão! Os imbecis! É o mesmo que ordenar a um homem que se mantenha calmo quando uma alcateia de lobos uiva no seu encalço! Ou paro com os meus algarismos na data fixada, ou perderei a oportunidade única da minha carreira.

<< Página Anterior

pág. 151 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Contos de Mistério
Páginas: 167
Página atual: 151

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
O ANEL DE THOTH 1
O LOTE N° 249
(The lot n. 249)
23
O SOLAR ASSOMBRADO DE GORESTHORPE
(The haunted grange of Goresthorpe)
63
DE PROFUNDIS
(De profundis)
87
A NOVA CATACUMBA
(The new catacomb)
100
BRINCANDO COM O FOGO
(Playing with the fire)
119
O BOIÃO DE CAVIAR
(The pot of caviare)
134
O ESPELHO DE PRATA
(The silver mirror)
151
COMO TUDO ACONTECEU (How it happened) 163
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site