Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: O BOIÃO DE CAVIAR
(The pot of caviare)

Página 134
O BOIÃO DE CAVIAR
(The pot of caviare)

Estava-se no quarto dia do cerco. Munições e provisões encontravam-se quase no fim. Quando a insurreição dos Boxers (sociedade secreta chinesa), como um incêndio nas ervas secas, despontara num ápice no norte da China, os poucos europeus disseminados nas províncias longínquas tinham-se juntado no primeiro posto de defesa; e aí defendiam cara a vida, à espera de serem socorridos... ou de não serem. Neste último caso, mais vale não dizer nada da sorte que lhes reservavam; e, no primeiro, poderíamos, pelos rostos que encontrariam nos homens, conhecer que eles tinham visto de perto uma dessas mortes cujo pensamento nunca ocorreria, nem mesmo em sonho.

Ichau não distava cinquenta milhas da costa, e uma esquadra europeia cruzava o golfo de Liang-Tung. Por isso a pobre pequena guarnição - composta por cristãos indígenas e operários do caminho-de-ferro sob as ordens de um oficial alemão assistido por alguns civis europeus - resistia valentemente, convencida de que, das pequenas colinas de Leste, o socorro ia em breve surgir. Avistava-se o mar do alto destas colinas, e no mar havia compatriotas.

Postados nas seteiras, debaixo do abrigo natural dos muros de tijolos que ladeavam o pequeno bairro europeu, estes bravos disparavam com ardor, senão com eficácia, contra as linhas dos Boxers, cujos entrincheiramentos de pedras secas faziam progressos rápidos. Dentro de um ou dois dias estariam certamente sem recursos; não menos certamente dentro de um ou dois dias, seriam libertados. Era possível que o socorro pudesse chegar um pouco mais cedo ou um pouco mais tarde, mas ninguém se arriscava a prever que não chegasse em tempo útil. Até à noite de terça-feira não houve uma palavra de desencorajamento.

<< Página Anterior

pág. 134 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Contos de Mistério
Páginas: 167
Página atual: 134

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
O ANEL DE THOTH 1
O LOTE N° 249
(The lot n. 249)
23
O SOLAR ASSOMBRADO DE GORESTHORPE
(The haunted grange of Goresthorpe)
63
DE PROFUNDIS
(De profundis)
87
A NOVA CATACUMBA
(The new catacomb)
100
BRINCANDO COM O FOGO
(Playing with the fire)
119
O BOIÃO DE CAVIAR
(The pot of caviare)
134
O ESPELHO DE PRATA
(The silver mirror)
151
COMO TUDO ACONTECEU (How it happened) 163
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site