Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 12: Genealogia da moral

Página 93
Genealogia da moral

Obra polémica

São, talvez, as três dissertações de que se compõe esta genealogia, no que se refere à expressão, à intenção e arte do inesperado, o que até agora de mais inquietante foi escrito. Diónisos é também, como se sabe, o deus das trevas.

O começo induz em erro, é um começo que pode dizer-se frio, científico, irónico, e, além disso, calculado e intencional. Mas pouco a pouco a agitação aumenta; aqui e além o ar é sulcado por relâmpagos; vêm de longe verdades muito desagradáveis acompanhadas por surdos rugidos, até que finalmente se desencadeia um «tempo feroce» em que tudo se precipita com rapidez extraordinária. Por fim, no meio de temerosos estampidos, começa entre as espessas nuvens, a surgir a nova verdade.

O tema da primeira dissertação é a psicologia do cristianismo: o nascimento do cristianismo como espírito do ressentimento, e não, ao contrário do que se poderia crer, como «espírito»... A sua essência, qualquer que seja a maneira de a considerar, é um movimento de reacção, a grande insurreição contra o predomínio dos valores «nobres».

A segunda dissertação revela o enigma da consciência: não é esta, como poderia supor-se, «a voz de Deus no homem». Ê o instinto de crueldade que se volta para o passado quando já não lhe é possível imediatamente satisfazer-se: Aqui, pela primeira vez, aparece na verdadeira luz a crueldade como um dos mais velhos e inalienáveis fundamentos da civilização.

Dá a terceira dissertação resposta ao problema de saber qual a origem do ideal ascético e por que assume tamanho poder; o poder ideal nocivo por excelência, como vontade de fim e ideal de decadência. Resposta: não é porque Deus actua por detrás do sacerdote, como se crê, mas porque, à falta de melhor, o ideal ascético foi o único até agora, o único sem concorrentes.

<< Página Anterior

pág. 93 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ecce Homo
Páginas: 115
Página atual: 93

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇAO 1
Porque sou tão sábio 5
Porque sou tão sagaz 20
Porque escrevo tão bons livros 41
A Origem da Tragédia 52
Considerações intempestivas 58
Humano, demasiado Humano 64
Aurora 71
O Alegre Saber 75
Assim falou Zaratustra 76
Para além do Bem e do Mal 91
Genealogia da moral 93
Crepúsculo dos ídolos 95
O caso Wagner 98
Por que sou uma fatalidade 106
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site