Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: Aurora

Página 71
Aurora

Reflexões sobre os preconceitos morais

1

Começa com este livro, a minha campanha contra a moral. Não que em si tenha o menor cheiro a pólvora. Bem pelo contrário, encontram-se nele todos os demais odores, compondo um aroma muito mais agradável, mesmo para quem tenha deficiência de olfacto. Nem artilharia pesada, nem fogo de espingarda: seja embora negativo o efeito deste livro, não 00 são nitidamente Os seus processos, dos quais se desprendem os corolários como conclusão lógica não como fogo de barragem. Acabe-se a leitura com aguda desconfiança a respeito de tudo quanto se venerava e ainda de tudo quanto se adorava até ao presente sob o nome de moral, e, todavia, em todo o livro, não ocorre uma palavra de negação, nem um ataque, nem uma maldade; bem pelo contrário, ele estende-se, rotundo e feliz, como um animal marinho que toma o seu banho de sol entre os rochedos: quase todas as frases do livro, uma por uma, foram pensadas e como que pescadas nos mil labirintos desse caos de rochas situado nas proximidades de Génova, onde vivia sozinho e onde só com o mar tinha confidências. Ainda hoje, se acaso volto a tomar contacto com aquelas páginas, é, para mim, cada frase como que uma linha de pesca puxando a qual me vem das profundidades algum ser estranho, inesperado, maravilhoso: toda a sua pele vibra de frémitos subtis e evocadores.

A arte que este livro apresenta não é vulgar de modo nenhum: pode apreender coisas que deslizam sem rumor despercebidas instantes que comparo a lagartos maravilhosos, e' sabe picá-los num ponto, não como aquele jovem deus grego que comia, inocente, as sardaniscas, mas com intencional estilete acerado: a caneta do escritor... «Há tantas auroras que não despontaram ainda.

<< Página Anterior

pág. 71 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ecce Homo
Páginas: 115
Página atual: 71

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇAO 1
Porque sou tão sábio 5
Porque sou tão sagaz 20
Porque escrevo tão bons livros 41
A Origem da Tragédia 52
Considerações intempestivas 58
Humano, demasiado Humano 64
Aurora 71
O Alegre Saber 75
Assim falou Zaratustra 76
Para além do Bem e do Mal 91
Genealogia da moral 93
Crepúsculo dos ídolos 95
O caso Wagner 98
Por que sou uma fatalidade 106
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site