Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 11: Para além do Bem e do Mal

Página 91
Para além do Bem e do Mal

Prelúdio de uma Filosofia do Futuro

1

A tarefa para os anos seguintes estava já traçada tão rigorosamente quanto possível. Depois de ter cumprido a parte afirmativa desta minha tarefa, veio a parte negativa, a parte em que cabia dizer «não» e agir pela negação: a própria transmutação de todos os valores até aí dominantes, a guerra aberta e a preparação para o dia de batalha decisiva. Aqui se conta o longo esforço para ligar a mim todos os meus semelhantes, aqueles que por sua reserva de força me pudessem dar apoio na obra de destruição.

Desde então para cá são todos os meus escritos anzóis: talvez saiba eu lançar o anzol como ninguém?... E, se nada apanhei, a culpa não foi minha. Faltavam peixes.

2

Ê o livro (1886), em todas as suas partes essenciais, uma crítica da modernidade, das ciências modernas, da arte moderna, sem esquecer a política moderna, e dá sugestões de um novo tipo oposto, que, tão pouco moderno quanto possível, é um tipo nobre, um tipo afirmativo.

Neste último sentido é o livro uma escola de nobreza, tomado o termo em sentido mais espiritual e radical do que até agora. Para suportar esta afirmação, exige-se valentia, não saber o que é medo.

Todas aquelas coisas que dão orgulho à nossa época são vistas como o contrário deste tipo, o que dá nítido sinal da grosseria ambiente. Assim, a famosa «objectividade», a «compaixão por todos os que sofrem», o «sentido histórico», com a servidão perante o que vem do estrangeiro, o interesse geral pelos «factos», o «espírito científico».

Se tivermos em conta que o livro foi escrito depois de Zaratustra, poderemos também talvez aperceber-nos do regime dietético que condicionou o seu nascimento.

<< Página Anterior

pág. 91 (Capítulo 11)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ecce Homo
Páginas: 115
Página atual: 91

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇAO 1
Porque sou tão sábio 5
Porque sou tão sagaz 20
Porque escrevo tão bons livros 41
A Origem da Tragédia 52
Considerações intempestivas 58
Humano, demasiado Humano 64
Aurora 71
O Alegre Saber 75
Assim falou Zaratustra 76
Para além do Bem e do Mal 91
Genealogia da moral 93
Crepúsculo dos ídolos 95
O caso Wagner 98
Por que sou uma fatalidade 106
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site