Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: Assim falou Zaratustra

Página 76
Assim falou Zaratustra

Livro para todos e para ninguém

1

Vou contar agora a história do - Zaratustra. A tese fundamental da obra; a ideia do eterno retorno, fórmula suprema da afirmação, e a mais alta que pode conceber-se - surgiu-me no mês de Agosto de 1881. Está fixada numa folha de papel com a inscrição: «6000 pés acima do homem e do tempo». Fui naquele dia, seguindo o caminho do bosque, até à margem do lago Silplana; detive-me junto a uma rocha descomunal, em forma de pirâmide, não muito longe de Surlei. E foi aí que a ideia me ocorreu.

Se, daquele dia, regresso meses atrás, encontro, como prognóstico, uma transformação profunda dos meus gostos, principalmente em música. Talvez devesse considerar-se todo o Zaratustra obra musical. Certo é que supunha um prévio «renascimento-» da arte de ouvir, uma transmutação nesse ponto. Numa pequena estância termal, na montanha, Recoaro, perto de Vicenza, onde passei a Primavera de 1881, descobri, na companhia do meu mestre e amigo Peter Gast, também um «renascente», que a fénix musical voava perto de nós, coberta ida plumagem mais fina e colorida. Se, em sentido contrário, partindo daquele mesmo dia, prossigo até ao momento genesíaco, que surgiu de súbito e nas condições mais inverosímeis em Fevereiro de 1883 - a última parte, de que cito alguns passos no prefácio, foi concluída precisamente à mesma hora em que Ricardo Wagner expirava em Veneza verifico que foram necessários dezoito meses de incubação. Este número exacto de dezoito meses podia fazer pensar - pelo menos se fôssemos budistas - que eu sou no fundo um elefante fêmea. No período intermédio nasce o Alegre Saber que consigna já cem prelúdios da aproximação de algo sem par; e para tudo dizer já ali se encontra o princípio de Zaratustra, pois a penúltima parte do livro quarto contém a sua ideia fundamental.

<< Página Anterior

pág. 76 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ecce Homo
Páginas: 115
Página atual: 76

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇAO 1
Porque sou tão sábio 5
Porque sou tão sagaz 20
Porque escrevo tão bons livros 41
A Origem da Tragédia 52
Considerações intempestivas 58
Humano, demasiado Humano 64
Aurora 71
O Alegre Saber 75
Assim falou Zaratustra 76
Para além do Bem e do Mal 91
Genealogia da moral 93
Crepúsculo dos ídolos 95
O caso Wagner 98
Por que sou uma fatalidade 106
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site